Aviação Luís Patrão vai ser administrador da ANA

Luís Patrão vai ser administrador da ANA

Luís Patrão vai ser administrador não executivo da empresa que gere os aeroportos nacionais. A sua escolha foi feita por Carlos Lacerda, actual presidente da comissão executiva da ANA.
Luís Patrão vai ser administrador da ANA
Vladimir Rodas/Negócios
Celso Filipe 24 de junho de 2017 às 07:00

Luís Patrão vai ser administrador não executivo da Ana – Aeroportos de Portugal, soube o Negócios.


A escolha de Luís Patrão, presidente do Turismo de Portugal entre 2006 e 2011, foi feita por Carlos Lacerda, presidente da comissão executiva da empresa que gere os aeroportos nacionais.

O líder da ANA optou por convidar Luís Patrão para assumir funções de administrador não executivo  da ANA devido ao peso que o turismo tem na actividade da empresa, detida pela Vinci desde Dezembro de 2012, ano em que os franceses ganharam a operação de privatização.

Luís Patrão é licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, tendo também sido membro da administração da Enatur – Pousadas de Portugal e membro do conselho geral e de supervisão da TAP entre 2006 e 2015.

Entre 2005 e 2006 foi chefe de gabinete do então primeiro-ministro, José Sócrates. Foi também secretário de Estado da Administração Interna entre 1999 e 2000.  Com a entrada de Luís Patrão, o conselho de administração da ANA passa a ser composto por 12 elementos.

Refira-se que Carlos Lacerda assumiu as funções de presidente da comissão executiva da ANA em Abril. Antes disso, o agora líder da entidade que gere os aeroportos nacionais foi managing director da SAP Portugal, membro da equipa de liderança desta empresa para a região EMEA (Europa, Médio Oriente e África e líder sénior da Microsoft para a região da Ásia.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 24.06.2017

A CGD só tem lá 2200 excedentários pagos com o seu peso em ouro, salários e prestações sociais incluídas, que só agora foram "detectados" porque a UE alertou a gestão da organização para o facto começando finalmente a fazer-se luz. Outros bancos, altamente subsidiados, assim como diversas áreas do sector público em geral, sofrem do mesmo síndroma. Mas vai ser tarde demais e a factura é gigantesca porque a factura do excedentarismo é gigantesca e acarreta custos de oportunidade colossais. Faça-se luz noutras organizações também ou ainda morre muito mais gente em Portugal de forma totalmente absurda e perfeitamente evitável.

comentários mais recentes
Marcel 24.06.2017

O chefe de Gabinete do Sócrates de volta. Com o resto da tralha socrática do Governo. tudo está bem quando acaba bem

Anónimo 24.06.2017

É tudo milimetricamente planeado...como não deve perceber nada de gestão de aeroportos então o lugar é não executivo que serve para pedir favores políticos...penso eu de que.
Não sei se é o caso, mas como são financiados os partidos? favor aqui, favor acolá, e estes são pagos anonimamente...será?

pertinaz 24.06.2017

ORDINARICES DO ESTUPOR DO ANTÓNIO COSTA QUE ENCAIXOU O MAFIOSO DO LACERDA PARA CONTROLAR AS EMPRESAS PRIVADAS...!!!

ACHO PIADA ESSES CARGOS ADM NÃO EXECUTIVO... 24.06.2017

Servem para dar tachos a camaradas e amigos e tb p/eles próprios quando precisarem....

ver mais comentários
pub