Indústria Lundin Mining adia obras de projecto de 260 milhões devido a greves na mina de Neves-Corvo

Lundin Mining adia obras de projecto de 260 milhões devido a greves na mina de Neves-Corvo

A companhia Lundin Mining anunciou esta quinta-feira o adiamento de obras do projecto de 260 milhões de euros para expandir a produção de zinco na mina de Neves-Corvo, no Alentejo, devido às "perturbações laborais" e possíveis novas greves.
Lundin Mining adia obras de projecto de 260 milhões devido a greves na mina de Neves-Corvo
Pedro Elias
Lusa 18 de janeiro de 2018 às 18:13

Num comunicado enviado à agência Lusa, a companhia mineira sueca-canadiana dona da empresa Somincor, a concessionária da mina de Neves-Corvo, no concelho de Castro Verde, distrito de Beja, refere que "decidiu adiar as construções do Projecto de Expansão do Zinco/Zinc Expansion Project (ZEP) à superfície até que se verifique a estabilidade total da operação".

 

A Lundin Mining explica que tomou a decisão "dadas as perturbações laborais ocorridas no último trimestre de 2017 e a possibilidade de ocorrência de novas greves no primeiro trimestre de 2018" na mina de Neves-Corvo.

 

Nestas circunstâncias, "é crítico garantir a competitividade a longo prazo da mina de Neves-Corvo e que os projectos decorram de forma eficiente" para "atingir os retornos esperados do investimento", frisa a companhia, referindo que a Somincor espera arrancar com o projecto na sua totalidade "num futuro próximo".

 

Trabalhadores da Somincor fizeram três greves entre os meses de Outubro e Dezembro de 2017, as quais levaram a paragens na extracção e na produção de minério na mina de Neves-Corvo.

 

Na semana passada, num plenário geral, os trabalhadores decidiram fazer nova greve caso não recebam até ao dia 29 deste mês uma proposta da nova administração para resolver o conflito laboral na empresa.

 

Os trabalhadores reivindicam o fim do regime de laboração contínua no fundo da mina, a "humanização" dos horários de trabalho, a antecipação da idade da reforma para os funcionários das lavarias, a progressão nas carreiras, a revogação das alterações unilaterais na política de prémios e o "fim da pressão e da repressão sobre os trabalhadores".

 

No comunicado hoje divulgado, a Lundin Mining considera que o projecto de 260 milhões de euros para expandir a produção de zinco "é um investimento que visa um futuro próspero e sustentável" da Somincor e "o seu sucesso representa também a sustentabilidade futura das comunidades e da região do Baixo Alentejo e, por essa razão, conta com o forte apoio do Governo português e das comunidades locais".

 

"Porém, para que o investimento continue e represente um futuro de sucesso, longo e sustentável para os colaboradores da Somincor e os empreiteiros gestores do projecto, a Lundin Mining necessita de estabilidade na operação no seu todo e de relações laborais igualmente estáveis e que permitam a continuidade do projecto sem quaisquer atrasos", frisa a companhia.

 

O projecto constitui "o maior investimento" feito na mina de Neves-Corvo desde que a Somincor iniciou a produção "há mais de 25 anos" e "não inclui o investimento anual de cerca de 50 milhões na sua operação normal", refere a companhia.

 

Trata-se de "um investimento de grande importância e relevância para a Lundin Mining" e "com um elevado impacto para os ´stakeholders` da Somincor em Portugal e no estrangeiro" e que "proporcionará a criação de emprego adicional" nas fases de construção e de laboração.

 

A Lundin Mining refere que a Somincor "continua a investir em projectos de prospecção e de desenvolvimento com vista à descoberta de novos depósitos de minério que possam vir a representar uma extensão da actual vida da mina de Neves-Corvo" até 2029.

 

O investimento no projecto para duplicar a produção de zinco na mina foi anunciado pelo presidente da Lundin Mining, Paul Conibear, numa cerimónia que decorreu em Abril do ano passado no complexo mineiro e contou a presença dos secretários de Estado da Energia e do Ambiente.

 

Na altura, Paul Conibear explicou que o investimento irá permitir "duplicar" a produção anual de concentrado de zinco na mina de Neves-Corvo de um milhão de toneladas, actualmente, para cerca de 2,5 milhões de toneladas, e criar 350 postos de trabalho durante a fase de construção e mais de 200 postos de trabalho efectivos quando estiver em operação.

 

Paul Conibear disse trata-se de um projecto "grande e complicado" e na altura apontou dois anos para a concretização e "meados de 2019" como a data prevista para a conclusão do investimento.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Rui Martins 20.01.2018

Está na hora de mandar essa gente toda para o desemprego. E depois quero ver como é que os FdP dos comunas os vão alimentar.

A andar 18.01.2018

Peguem no dinheiro e sigam para onde quiserem, quem não se dá bem com a democracia e com o direito à greve que se ponha daqui para fora.

ze da loba 18.01.2018

próximo-------autoeuropa---andamos a brincar com o fogo cambada de comunas e os trabalhadores vao na conversa do sindicato......so tem o que semeia.

Camponio da beira 18.01.2018

As pessoas quando trabalham, devem ser pagas. Mas quando se dispo~esm a boicotar o trabalho dos outros, é como os bombistas suicidas, são imprevisiveis e dificeis de controlar.

pub