Empresas Lusiaves abre 50 vagas de emprego para pessoas de Pedrógão Grande

Lusiaves abre 50 vagas de emprego para pessoas de Pedrógão Grande

O grupo Lusiaves abriu 50 vagas de emprego dirigidas à população de Pedrógão Grande, disponíveis de imediato nas respectivas unidades da Figueira da Foz e de Monte Redondo. Grupo garante possibilidade de transporte diário.
Lusiaves abre 50 vagas de emprego para pessoas de Pedrógão Grande
Vítor Mota/Correio da Manhã
Negócios 23 de junho de 2017 às 19:24

Em comunicado enviado esta sexta-feira, 23 de Junho, às redacções o grupo Lusiaves revela ter aberto 50 vagas de emprego direccionadas à população de Pedrógão Grande, fortemente afectada pelo incêndio que deflagrou naquela região no passado sábado.

 

A empresa refere ainda que as vagas estão disponíveis de imediato e que garante a possibilidade de transporte para as unidades da Lusiaves situadas na Figueira da Foz e em Monte Redondo.

 

O grupo fundado na Marinha das Ondas, Figueira da Foz, explica ter aberto estas vagas na sequência da perda de cerca de 200 postos de trabalho provocados pelo incêndio que deflagrou no sábado passado em Pedrógão Grande.

 

Na nota enviada à comunicação social, a Lusiaves realça ter já doado 200 sacos de ração alimentar para os animais da região afectada pelo incêndio do último fim-de-semana.

 

O grupo diz reconhecer "que deve ter um papel activo na melhoria das comunidades locais, nomeadamente no que se refere à criação de emprego e dinamização das regiões tendencialmente mais rurais".

 

E acrescenta que "na matéria da prevenção e do combate a incêndios, o Grupo manifestou, desde sempre, uma preocupação proactiva, que tem conduzido, ao longo dos anos, ao estabelecimento de diversos protocolos de cooperação com corporações de bombeiros das regiões onde tem a sua actividade instalada".

 

A Lusiaves detém actualmente mais de 1.500 trabalhadores e a sua actividade reparte-se entre "a recria de galinhas reprodutoras, passando pela produção de ovos com a respectiva incubação e produção de pintos, à produção avícola de frango, frango do campo e perus, assim como o abate de aves e a sua transformação".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 dias

A tragédia de Pedrógão é também uma história de assassinos sindicais em Portugal, de uma jurisdição capturada por autênticos chulos dos direitos adquiridos onde nem a simples limpeza de áreas de segurança junto às estradas nacionais, no qual qualquer um poderia vender o seu trabalho braçal se não sobrasse orçamento para investimento em maquinaria silvícola, e o uso de aeronaves de combate a incêndios, se fazem.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 dia

A redução de custos anuais no sector público através do sistema de mobilidade especial ou requalificação dava para pagar uma frota de meios aéreos de combate e prevenção de incêndios todos os anos assim como a constituição e manutenção de um bom parque de maquinaria silvícola para limpar zonas problemáticas como a área envolvente daquela recta-crematório da morte.

Anónimo Há 1 dia

Os Neros lusitanos geringonceiros estão loucos de contentamento. A austeridade acabou, mas orçamento para limpeza de matas junto a vias de comunicação e aviões apaga-fogos não há.

Anónimo Há 2 dias

Vocês bancários subsidiados, tal como as legiões de excedentários de carreira da função pública a quem vocês concederam créditos avultados, já nos deram imenso prejuízo pois têm sido os grandes beneficiários da extorsão e pilhagem perpetrada ao Estado e à economia portuguesa desde há várias décadas. Os custos de oportunidade de ter que vos subsidiar são elevadíssimos e de muito difícil e remoto ressarcimento. Agora têm as vossas mãos manchadas de sangue.

Anónimo Há 2 dias

A tragédia de Pedrógão é também uma história de assassinos sindicais em Portugal, de uma jurisdição capturada por autênticos chulos dos direitos adquiridos onde nem a simples limpeza de áreas de segurança junto às estradas nacionais, no qual qualquer um poderia vender o seu trabalho braçal se não sobrasse orçamento para investimento em maquinaria silvícola, e o uso de aeronaves de combate a incêndios, se fazem.

pub