Empresas Lusorecursos avança com pedido de licença para explorar lítio em Montalegre  

Lusorecursos avança com pedido de licença para explorar lítio em Montalegre  

O pedido foi entregue na véspera de arrancar o julgamento, no Tribunal de Braga, da providência cautelar que foi movida pela Novo Lítio contra a Lusorecursos.  
Lusorecursos avança com pedido de licença para explorar lítio em Montalegre  
Reuters
Negócios 17 de novembro de 2017 às 09:17

O diferendo entre a portuguesa Lusorecursos e a australiana Novo Lítio, pela exploração de lítio na região de Montalegre, vai chegar aos tribunais, avança o Público na edição desta sexta-feira, 17 de Novembro.

 

A empresa de Braga, que é a detentora do contrato de prospecção e pesquisa de Lítio em Sepeda, já enviou para a Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG) o pedido de exploração definitiva da concessão.

 

O pedido foi entregue na véspera de arrancar o julgamento, no Tribunal de Braga, da providência cautelar que lhes foi movida pela Novo Lítio, a antiga parceira e actual adversária nesta guerra pelo lítio transmontano.

 

De acordo com o Público, em causa está uma área de exploração de 75.581km2 que, de acordo com as perspectivas reveladas pela Novo Lítio, a empresa australiana que esteve no terreno a fazer as sondagens geológicas, poderá conter um depósito de dez milhões de toneladas de minério de óxido de lítio.

 

Uma matéria-prima cada vez mais atractiva, devido ao facto de ser utilizada no fabrico de baterias.

 

A DGEG tem agora que avaliar se a Lusorecursos, a empresa com quem assinou o contrato de prospecção e pesquisa em Dezembro de 2012, tem ou não capacidade e viabilidade de avançar para uma licença de exploração, refere o Público, adiantando que a litigância judicial vai continuar em várias frentes.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub