Banca & Finanças Macedo garante que CGD tem as comissões mais baixas do mercado

Macedo garante que CGD tem as comissões mais baixas do mercado

A Caixa estabilizou as comissões no primeiro semestre. Macedo diz que é uma área importante para a recuperação da rentabilidade do banco público.
Macedo garante que CGD tem as comissões mais baixas do mercado
Correio da Manhã
Diogo Cavaleiro 28 de julho de 2017 às 19:09

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, defendeu que a instituição financeira pública cobra menos comissões que os outros bancos, tendo em conta o seu peso face ao negócio.

 

"A Caixa tem as comissões mais baixas do mercado. A Caixa cobra entre um terço a metade ou 75% das comissões dos outros bancos", declarou Paulo Macedo, na conferência de imprensa de apresentação de resultados, em que foram reportados prejuízos de 50 milhões de euros no primeiro semestre. Em causa está o peso das comissões no negócio apurado pelo banco.

 

Segundo o líder, a questão das comissões da CGD tem de ser integrada no plano estratégico do banco público. Essencial é, disse, "aumentar a rentabilidade da Caixa", para que abandone a série de perdas dos últimos anos.

 

"Em termos de comissões, o banco estabiliza as suas comissões em 2017. No primeiro semestre, tem comissões semelhantes àquilo que foi verificado em Junho de 2016", declarou Paulo Macedo esta sexta-feira, 28 de Julho, ainda que nos próximos anos tenha de aumentar estas comissões, como acordado com Bruxelas.

 

Sobre as comissões a pensões, cujo agravamento foi noticiado esta semana, o CEO da Caixa recusou que esteja a introduzir uma comissão para os reformados. A instituição tem, explicou, uma isenção para reformados, que irá reduzir.

 

Nos primeiros seis meses do ano, a instituição financeira pública apresentou resultados de serviços e comissões de 225 milhões de euros, comparativamente aos 224 milhões do período homólogo.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 3 semanas

O que diz este tipo ou outros da mesma laia para mim é igual ao litro.
1º se os bancos andam a olhar para as comissões uns dos outros, não haverá aqui no limite uma concertação de preços e uma violação da lei da concorrência?
2º no referente às comissões bancárias, há duas coisas a ver: a 1ª é o conceito (e os bancos estão a cobrar comissões em que o conceito é no mínimo aberrante, como o de cobrar comissão na cobrança de prestação); a 2ª é o montante da comissão, como é que foi fixado, qual a fundamentação em termos de custos da produção do serviço para chegar à fixação do preço/ comissão e neste aspecto reina a total arbitrariedade. Chamo a atenção e quem olha para estas coisas, nomeadamente a DECO: exijam aos bancos que fundamentem ou demonstrem a estrutura de custos em cada serviço que fundamente o preço/ montante da comissão. É isso que se faz em comércio sério.

comentários mais recentes
JCG Há 3 semanas

O que diz este tipo ou outros da mesma laia para mim é igual ao litro.
1º se os bancos andam a olhar para as comissões uns dos outros, não haverá aqui no limite uma concertação de preços e uma violação da lei da concorrência?
2º no referente às comissões bancárias, há duas coisas a ver: a 1ª é o conceito (e os bancos estão a cobrar comissões em que o conceito é no mínimo aberrante, como o de cobrar comissão na cobrança de prestação); a 2ª é o montante da comissão, como é que foi fixado, qual a fundamentação em termos de custos da produção do serviço para chegar à fixação do preço/ comissão e neste aspecto reina a total arbitrariedade. Chamo a atenção e quem olha para estas coisas, nomeadamente a DECO: exijam aos bancos que fundamentem ou demonstrem a estrutura de custos em cada serviço que fundamente o preço/ montante da comissão. É isso que se faz em comércio sério.

joaoaviador Há 3 semanas

Não é verdade o que diz este "especialista". Só por estudar um processo tão simples sobre um pedido de aval bancário a prestar às finanças sobre uma divida de 5000€ a CGD leva 500€ mais umas "comissõezitas" a cobrar de 3 em 3 meses. Palavras para quê? Pena é que não tenha feito estes estudos nem cobrado estas comissões áqueles que obrigaram a CGD a uma recapitalização obscena e cujos nomes e identidades vão saindo envergonhadamente cá para fora sem que tal incomode minimamente os partidos de direita e os sinistros partidos de esquerda. Num país onde a vergonha não incomoda não tem futuro!

José Vicente Há 3 semanas

É mentira o que diz o ceo da CGD porque agora quer começar a cobrar uma comissão de 4.95€ ao mês na contas à ordem com domiciliação de pensões e um património financeiro superior a 5000€. O Santandertotta e o Montepio v.g. não cobram comissões nas contas à ordem com saldo mensal superior a 5000€.

Nuno Martins Há 3 semanas

Manuel se tem depósitos superiores a 5000€ também continuará a não pagar comissão de conta na CGD.
Como cliente foi o que li na comunicação que me enviaram.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub