Banca & Finanças Macedo não está preocupado com período de nojo de ex-director do Banco de Portugal

Macedo não está preocupado com período de nojo de ex-director do Banco de Portugal

O presidente da CGD confirma que convidou Carlos Albuquerque para a gestão. Além das autorizações, terá de haver um período de nojo. Para Paulo Macedo, não há um problema.
Macedo não está preocupado com período de nojo de ex-director do Banco de Portugal
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 03 de fevereiro de 2017 às 13:30

Paulo Macedo diz que não está preocupado com o período de nojo que será imposto a Carlos Albuquerque, o ex-director de supervisão do Banco de Portugal, que o presidente da Caixa convidou para a gestão do banco público. 

 

"Confirmo que há um convite e que terá de ser sujeito a todos os procedimentos, de ‘cooling-off’ [período de nojo] e quer de aprovações", afirmou o agora presidente executivo do banco público num encontro com jornalistas, após uma visita ao balcão das Amoreiras, em Lisboa. A questão referia-se a Carlos Albuquerque, que abandonou a direcção do departamento de supervisão prudencial do regulador da banca. "Até tudo estar feito, nada acontece".

 

A ida para a Caixa não é directa, já que, primeiro, o Mecanismo Único de Supervisão terá de definir um período de nojo. O documento de ética deste mecanismo, que junta o Banco Central Europeu e os reguladores nacionais, prevê um período mínimo de seis meses. Questionado sobre se está preparado para esperar, Macedo admitiu que sim.

 

"É o que está previsto. Mas trabalhamos por um horizonte de quatro anos. A nossa visão da gestão é claramente estrutural, não é uma visão para um mês ou dois", assume Paulo Macedo.

 

A equipa do ex-ministro da Saúde entrou em funções a 1 de Fevereiro, mas ainda não está completa. Francisco Cary, José João Guilherme, José Brito, João Tudela Martins e Nuno Martins compõem a comissão executiva, a que se juntará Maria João Carioca a 6 de Março. Carlos Albuquerque, no mínimo, entrará em Agosto.

 

Os membros não executivos do conselho de administração ainda não entraram nos cargos a não ser Rui Vilar que transitou da anterior equipa e é agora presidente não-executivo.


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
JCG 23.02.2017

Pois é claro que esse gajo não se preocupa com isso uma vez que foi ele que convidou o crânio e é ele que pelos vistos criou um conselho de administração executivo elástico: dá para meter lá os amigos que quiser.
Agora, eu, acionista sem direitos e só com deveres é que não acho piada nenhuma aos devaneios desse tipo com cara de talibâ.

5640533 03.02.2017

Em 6 meses o fulano vai esquecer tudo que sabe da concorrencia. A serio? E quem e que lhe paga o ordenado nestes 6 meses? Desconfio ter alguma participacao.

pub
pub
pub
pub