Banca & Finanças Macedo retira subsídio de refeição nas férias com base numa norma antiga

Macedo retira subsídio de refeição nas férias com base numa norma antiga

O Acordo de Empresa da Caixa Geral de Depósitos já tem inscrita, há pelo menos 10 anos, a indicação de que os subsídios de refeição são atribuídos nos dias "efectivamente trabalhados". Mas só agora tal será aplicado.
Macedo retira subsídio de refeição nas férias com base numa norma antiga
Paulo Duarte/Negócios
Diogo Cavaleiro 20 de abril de 2017 às 19:59

Paulo Macedo está a retirar os subsídios de refeição pagos aos funcionários da Caixa Geral de Depósitos mesmo em dias de férias. O argumento é o Acordo de Empresa assinado com os sindicatos e que tem uma nova versão desde o início de 2016. Contudo, a norma referente ao subsídio de refeição não sofre alterações há pelo menos uma década.

 

"A todos os trabalhadores é atribuído, por cada dia de trabalho efectivamente prestado, um subsídio de refeição no valor fixado no Anexo IV, que será pago mensalmente", é o que revela o número 1 do artigo 62.º do Acordo de Empresa assinado pelo banco com o Sindicado dos Trabalhadores das Empresas do Grupo CGD, publicado em Janeiro de 2016. Na altura, o presidente da instituição financeira era José de Matos, fazendo parte da comissão executiva Maria João Carioca, que está agora na equipa de Paulo Macedo.

 

Ora, é precisamente essa a mesma frase que consta do Acordo de Empresa assinado entre as duas partes em 2007/2008, altura da transição de presidência entre Carlos Santos Ferreira e Fernando Faria de Oliveira. Só que só agora, com Paulo Macedo, que enfrenta um plano de reestruturação que obriga ao corte de 20% dos custos operacionais até 2020, é que faz a leitura mais musculada do diploma.

 

"A partir de Maio, (…) [deixarão] de ser processados os subsídios de refeição respeitantes às férias gozadas em cada mês". A indicação foi dada pela administração, numa nota colocada pelo banco na intranet, noticiada pela Sábado e a que o Negócios teve acesso, termina com uma tradição que, segundo os trabalhadores, tem mais de 40 anos. Até aqui, os trabalhadores da instituição financeira recebiam subsídio de refeição, no valor de 11,10 euros, nos 25 dias úteis que têm de férias. Estes dias significavam, portanto, um encargo de 277,5 euros por ano para a CGD por cada funcionário.

 

Segundo Jorge Canadelo, coordenador da comissão de trabalhadores, todos os Acordos de Empresa da Caixa até ao momento previam que o pagamento de subsídio de refeição só fosse para os dias efectivamente trabalhados e não pago nas férias. Mas as várias administrações e gestões – como a de Rui Vilar, agora presidente da comissão executiva – não liam à letra a norma e mantiveram essa regalia intacta.

 

"Após sete anos sem revisão salarial e quatro anos sem promoções, a prioridade social da CGD é cortar no subsídio de almoço", critica o STEC numa nota interna. Ao Negócios, Jorge Canadelo critica o "corte unilateral" e argumenta que "não é [poupar com] cada trabalhador por mês a cada ano que vai fazer a diferença".

 

As duas estruturas consideram que havia cortes na alta direcção do banco público que poderiam compensar esta medida tomada pela comissão executiva. Tanto do sindicato como da comissão de trabalhadores é sublinhado que o pagamento do subsídio de refeição nos dias de férias, que não ocorre noutros sectores dentro do público e do privado, se deve a questões históricas: fixaram-se os dias úteis por mês abaixo do efectivamente pago e, como compensação, recebiam o subsídio mesmo quando de férias. 




A sua opinião23
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

A largueza sindical do sul dá nisto e muito pior...

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

Uma boa decisão! Mas há muitos mais privilégios que deviam ser cortados a esses senhores (não nos devemos esquecer como os «caixinhas» nos atendem nos balcões da CGS...). Saúde totalmente à borla, prémios, empréstimos sem juros e muito mais. Mas também cortar nos privilégios dos administradores.

Anónimo Há 1 semana

A Adminitração com altíssimos ordenados!!!
E vão cortar o subsídio refeição aos trabalhadores que não têm aumentos nem promoções faz sei lá qtos anos.!!! Ridículo tanta incoerência. Podiam cortar nos seus ordenados isso sim seria um bom exemplo.

Anónimo Há 1 semana

Acho muito bem que todo o pessoal só receba o subsidio de alimentação referente aos dias trabalhados. O pessoal dos bancos e da C. G. de depósitos bem como todo o funcionário público não são mais de que os restantes funcionários portugueses. Não há portugueses de 1ª e de 2ª.

Anónimo Há 1 semana

claro que é um previlégio descabido, entre outros pela hierarquia acima.
Mas banco de Portugal e muitos outros institutos e empresas publicas e publicas disfarçadas de privadas e outras de bens e seviços essencias, (agua, electricidade, comunicações, correio, saude, seguros conta bancaria....).

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub