Banca & Finanças Paulo Macedo vai ganhar o mesmo salário de Domingues

Paulo Macedo vai ganhar o mesmo salário de Domingues

O futuro presidente da Caixa, Paulo Macedo, vai manter o salário de António Domingues, apesar da pressão política dos últimos dias para que o Governo negociasse um salário mais baixo.
Paulo Macedo vai ganhar o mesmo salário de Domingues
Correio da Manhã
O futuro presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Paulo Macedo, vai manter o mesmo salário que foi atribuído a António Domingues e que causou polémica, apurou o Negócios. O Governo tomou esta decisão apesar da pressão política dos últimos dias para o Executivo aproveitasse a oportunidade para negociar um salário que evitasse focos de tensão.

O salário de Paulo Macedo é o salário do presidente da Caixa, explicou fonte governamental.

António Domingues tem um salário anual de 423 mil euros, acrescido de uma remuneração variável que pode ir até 50% da componente salarial fixa e que depende dos resultados alcançados. 

Nos últimos dias, já depois de ser conhecida a saída de António Domingues da Caixa, Bloco e PCP defenderam, em declarações ao Negócios, que o Governo devia aproveitar esta oportunidade para negociar um salário mais baixo e mantiveram a posição inicial - o salário do presidente da Caixa não deve ultrapassar o do primeiro-ministro.

Também Marcelo Rebelo de Sousa fez saber, através do Expresso, que o salário do novo presidente da Caixa deveria ser inferior ao que ainda é pago a António Domingues.

Além dos parceiros do Governo, também o PSD tem criticado a remuneração do líder da Caixa, defendendo que a regra deve ser o salário do primeiro-ministro, mas admitindo excepções autorizadas pelo ministro das Finanças e que podem permitir um salário igual à média dos últimos três anos no lugar de origem. Esta proposta volta a ser discutida no Parlamento na próxima terça-feira, no âmbito de um projecto lei mais alargado, depois de ter sido chumbada durante o debate do Orçamento do Estado para 2017.

António Domingues demitiu-se da presidência da Caixa a 25 de Novembro, menos de três meses depois de ter iniciado funções.



A sua opinião28
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
JCG 03.12.2016

Ao que parece e dada a dimensão do buraco, a CGD devia ser declarada oficialmente em processo de reestruturação, as remunerações acessórias, prémios e bónus todas anuladas; e em vez de dispensaram 30% do pessoal gastando mais um balúrdio (800 a 1000 milhões) , o que deviam fazer era reduzir a remuneração global efetiva e o tempo de trabalho a todos os trabalhadores em 30%. Cada trabalhador passaria a trabalhar 3,5 dias por semana ou alternadamente 4 dias e 3 dias por semana.
É claro que as remunerações oferecidas aos gestores teriam de estar em linha com este plano de austeridade. Por exemplo, as remunerações dos gestores seriam no montante da remuneração mais alta paga a trabalhadores, acrescida de 1 e 2 euros.
É claro que todos os outros custos operacionais também teriam de ser passados a pente fino.
Objetivo de rentabilidade para a CGD: devolver o dinheiro que os contribuintes lá colocaram acrescido dos juros que esse dinheiro custou aos contribuintes.

Porque não gosto da politica e dos politicos 03.12.2016

O PSD nos anos 80 tinha muito eleitorado seguro. Os idosos do interior, os retornados e todos os beneficiarios do sistema. Os idosos dos anos 80 e muitos retornados morreram. Os idosos de hoje já não estão tão seguros. A base de apoio é muito inferior. O PSD tem que estar atento a isso, senão morre.

Porque não gosto da politica e dos politicos 03.12.2016

Os dirigentes do PSD conhecem muito mal o Portugal de hoje. Pensam que estão nos anos 80. Nesta época o PSD tinha cerca de 2M de seguidores que bebiam as palavras de Cavaco. Hoje terão 300 000 que aceitam tudo. Os outros se necessario criticam e ou alteram o voto ou se abstem. À atenção do PSD.

Porque não gosto da politica e dos politicos 03.12.2016

O sr deputado Montenegro do PSD disse que não foi convidado para as comemorações do 1º Dezembro. O protocolo obriga a convidar a direção e não um deputado Este é o tal caso do copo meio cheio Ele não mentiu no que respeita à sua pessoa Mas mente descaradamente quanto ao partido. Isto mata a politica

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub