Transportes Maersk com a primeira subida de receitas em mais de dois anos

Maersk com a primeira subida de receitas em mais de dois anos

A empresa dá conta de uma forte procura pelo transporte marítimo contentorizado nos primeiros três meses do ano, que permitiu reforçar a facturação do grupo. Os lucros ascenderam a 253 milhões de dólares.
Maersk com a primeira subida de receitas em mais de dois anos
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 11 de maio de 2017 às 12:39

O grupo Maersk terminou o primeiro trimestre do ano com lucros de 253 milhões de dólares (face a 224 milhões um ano antes, subida de 13%), tendo o período entre Janeiro e Março ficado marcado pela primeira subida de receitas em mais de dois anos.

De acordo com os dados conhecidos esta quinta-feira, 11 de Maio, em relação ao trimestre anterior, os primeiros três meses de 2017 significaram uma recuperação, já que na recta final de 2016 a empresa tinha reportado prejuízos de 2.677 milhões de dólares


No arranque deste ano, a Maersk facturou 8.963 milhões de dólares, 5% acima dos 8.539 verificados no primeiro trimestre de 2016, uma subida justificada pela actividade da Maersk Line (transporte marítimo) e da Maersk Oil (exploração e produção de petróleo, que deu um contributo positivo de 328 milhões de dólares para o total do lucro).


Dentro da divisão de transporte e logística, a Maersk Line deu no entanto prejuízos de 66 milhões de dólares (face a lucros de 37 milhões um ano antes), valores que a empresa considera estarem em linha com as expectativas. A subida das taxas associadas ao transporte não foi contudo suficiente para compensar os custos com os preços dos combustíveis.


A empresa refere que a procura internacional por contentores para transporte no primeiro trimestre atingiu máximos de vários anos, um movimento liderado por "forte crescimento" na Europa e nos EUA, disse Soren Skou, CEO da companhia dinamarquesa ao Financial Times.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub