Aviação Maior avião bimotor da Europa já levantou voo

Maior avião bimotor da Europa já levantou voo

Chega ao mercado nos últimos meses do próximo ano e é a versão mais longa da família extra wide body (XWB) da Airbus. O A350-1000, que esta quinta-feira fez o voo inaugural em Toulouse, pode transportar até 440 passageiros.
Paulo Zacarias Gomes 24 de Novembro de 2016 às 11:34

O Airbus A350-1000 que, quando entrar ao serviço no segundo semestre de 2017, será o maior avião bimotor de fabrico europeu, está esta quinta-feira, 24 de Novembro, a fazer o seu voo inaugural. O aparelho saiu às 9:40 (hora em Portugal continental, 10:40 locais) e esteve no ar durante quatro horas e 20 minutos.

A chegada aos céus do aparelho – concorrente do norte-americano Boeing 777 – aconteceu a partir do aeroporto de Toulouse, que serve a Airbus. Este é um dos três aviões de teste que vão esta sujeitos, de acordo com a Reuters, a 1.600 horas de exercícios intensivos de voo.

O novo aparelho, com 73,8 metros de comprimento, é o maior da família XWB (extra wide body) do fabricante, com capacidade para receber mais 40 passageiros que os outros dois modelos A350 existentes (o 800 e o 900).

No total pode transportar entre 366 e 440 passageiros, o que o enquadra no segmento "mini-jumbo", prometendo, com a integração de materiais em fibra de carbono, uma poupança de energia de 25% em relação aos seus mais directos concorrentes. Os motores Trent XWB da Rolls-Royce dão-lhe um alcance de 14.700 quilómetros.



Esta mesma família, a A350, deveria vir a equipar a portuguesa TAP com novos aviões – estiveram previstos 12 novos A350-900 antes da privatização -, mas a encomenda acabou por ser substituída pelos 14 aparelhos A330-900neo 14, versão Airspace, que a companhia deverá receber a partir de finais de 2017.

De acordo com a folha de encomendas actual da Airbus, os maiores clientes para a nova aeronave são a Qatar Airways (a companhia que este sábado está a recrutar assistentes de bordo em Lisboa quer 37 aparelhos), a United Airlines (35), a Cathay Pacific (26) e a Etihad (22).

Este mês, o construtor aeronáutico concorrente, a norte-americana Boeing, finalizou o desenho do seu novo modelo 777-9X, que deverá vir a ser o maior avião com dois motores a jacto no mundo e estará pronto a cruzar os céus a partir de 2020.

A evolução do 777 terá capacidade para 400 passageiros e um alcance de 8.700 milhas náuticas (cerca de 16 mil quilómetros) e a sua envergadura (71,8 metros, mais que os 64,75 do concorrente A350-1000) será tal que as pontas das asas estão preparadas para recolher para que possa circular na pista sem causar problemas na operação do aeroporto.

(Notícia actualizada às 15:34 com pormenores sobre a primeira viagem de testes do aparelho)

O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus O maior bimotor da Airbus já chegou aos céus




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub