Telecomunicações Maiores credores da Oi unem-se para apresentar proposta de reestruturação da empresa

Maiores credores da Oi unem-se para apresentar proposta de reestruturação da empresa

Os principais credores de títulos da dívida da operadora brasileira Oi firmaram um acordo para apresentar uma proposta alternativa de reestruturação da empresa.
Maiores credores da Oi unem-se para apresentar proposta de reestruturação da empresa
Reuters
Lusa 24 de agosto de 2017 às 14:58

A informação foi divulgada num comunicado conjunto emitido pelos dois maiores grupos de 'bondholders' (detentores de títulos de dívida em dólares) da Oi na quarta-feira à noite, que são representados pela consultoria G5/Evercore e pelo banco Moelis.

 

Juntos, estes dois grupos, possuem cerca 22,6 mil milhões de reais da dívida (6,1 mil milhões de euros) em 'bondholders' da Oi, o que totaliza aproximadamente 32 mil milhões de reais (8,6 mil milhões de euros).

 

As principais propostas citadas no plano de reestruturação dos credores são a injecção de capital, no valor de três mil milhões de reais (810 milhões de euros), e a intenção de trocar 26 mil milhões de reais (7 mil milhões de euros) de títulos da dívida da empresa por uma fatia de 88% da Oi já reestruturada.

 

Os credores afirmaram que esta proposta conjunta é "um marco importante, na medida em que os grupos de credores Oi acreditam que é a primeira estrutura que garante o apoio da maioria dos principais grupos de credores".

 

Consideram também que o novo plano pode proporcionar "um caminho para uma potencial solução consensual acerca das reivindicações existentes e o ressurgimento bem-sucedido da Oi" como uma empresa "bem capitalizada, viável e forte no sector de telecomunicações brasileiro".

 

A Oi entrou com um pedido de recuperação judicial em Junho do ano passado por não conseguir negociar um total de 65,4 mil milhões de reais (19,6 mil milhões de euros) em dívidas.

 

Actualmente a Pharol SGPS, antiga Portugal Telecom, é accionista de referência da operadora brasileira, já que detém 27% de suas acções.

 

 




A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Galo de Barcelos 25.08.2017

Não faltam comentadores lamurias...o Goldman Sachs entre outros aumentaram as suas posições na Oi nos últimos meses...pk será??? Talvez pk sabem fazer contas em vez de lamentar o que não sabem...oupa Pharol!

Pharolito 24.08.2017

Amanha Pharol vai disparar 7% para 0,34/0,345. Queram apostar?

Jose 24.08.2017

Quem manda na Oi são os accionistas, pela Lei brasileira. Quem manda na Oi e na Pharol é o Nelson Tanure, que é famoso por dar o saque. Os obrigacionistas estão a fazer bluff. Se acabar mal para os accionistas, acaba ainda pior para os obrigacionistas, que têm muito mais a perder.

Sem surpresas 24.08.2017

Qualquer plano de restruturação (ou seja, onde os credores aceitam NÃO forçar a falência da Oi) será muito penalizador para os actuais acionistas. Não poderia nunca deixar de ser assim. Não compreendo como pode haver alguém com a ilusão do contrário.

ver mais comentários
pub