Empresas Maiores empresas portuguesas facturam mais e lucram menos. Petrogal lidera

Maiores empresas portuguesas facturam mais e lucram menos. Petrogal lidera

Petrogal, EDP Serviço Universal, EDP Distribuição, Modelo Continente e Pingo Doce são as cinco maiores empresas portuguesas, em termos de facturação. Encabeçam o ranking das 500 empresas de topo da revista Exame.
Rita Faria 16 de novembro de 2012 às 15:00
A revista Exame revelou esta tarde o seu ranking das 500 melhores e maiores (500 M&M) empresas portuguesas. Em termos de facturação, a maior empresa portuguesa é a Petrogal, com uma facturação de 9,4 mil milhões de euros no ano passado, seguindo-se a EDP Serviço Universal, a EDP Distribuição, Modelo Continente e, em quinto lugar, o Pingo Doce. Todas elas recuaram nos lucros, à excepção da EDP Serviço Universal.

Do ranking das dez maiores empresas de 2011 fazem ainda parte a EDP – Energias de Portugal, em sexto lugar, seguida da Volkswagen Autoeuropa, TAP, Repsol e Estradas de Portugal. Sublinha-se que três das dez maiores empresas portuguesas são do Grupo EDP.

Em 2011, as vendas das 500 maiores empresas portuguesas subiram 7,1% para os 132,4 mil milhões de euros, mas os lucros caíram 11,4%. “A queda nos lucros, apesar do aumento das vendas, é um sinal de que as 500 M&M sacrificaram margem de lucro e rentabilidade para preservar o negócio”, escreve a Exame.

Num ano em que as empresas portuguesas já sentiram os efeitos da crise económica e financeira, o endividamento das 500 empresas de topo em Portugal subiu para os 73,6%. “Todos os indicadores de rentabilidade degradaram-se muito”, avança a Exame. O endividamento (rácio entre passivo e activo) das 500 M&M subiu de forma contínua nos últimos anos, passando de 66,8%, em 2005, para 72,7%, em 2010, atingindo agora os 73,8% em 2011.

Contudo, o endividamento não é o único indicador que ilustra a maior vulnerabilidade financeira das 500 M&M. A solvabilidade (quociente entre capital próprio e passivo) voltou a diminuir, para 35,5%.

O estudo abrangeu 27 sectores de actividade, e teve em conta indicadores como vendas, resultados líquidos, rentabilidade de activos, capital próprio, valor acrescentado, solvabilidade e liquidez geral. Os sectores da agro-indústria e química são, juntamente com o comércio por grosso, os que mais aumentaram o número de empresas na lista das 500 M&M. Por sua vez, o sector da construção foi o que mais perdeu passando de 43 para 32 empresas. Um dos sectores mais relevantes em termos dos vários indicadores é o sector da água, electricidade e gás.

Dentro de cada sector, a revista Exame elegeu a melhor e a maior empresa. Assim, por exemplo, no sector dos transportes e distribuição, a maior empresa do ano foi a TAP, enquanto o prémio de melhor empresa foi para os CTT Expresso. No sector da agro-indústria a melhor é a Danone, e a maior a Lactogal. No sector das actividades auxiliares de transportes, a melhor é a Lusoponte, e a maior a Estradas de Portugal. Já no comércio a retalho, a maior é a Worten, e a melhor a Lojas Francas de Portugal.

Ainda segundo a Exame, em termos de volume de vendas, a liderança continua a pertencer à distribuição de combustíveis. Nem a queda de 25% nos lucros fez o sector perder a liderança.

As vendas das 500 M&M representam 77,5% do PIB português, um peso maior do que no ano anterior, quando era de 71,7%. Em 2009, era de 64,7%. A influência das 500 M&M no emprego também é relevante. As 500 empregam 407 mil funcionários, 8,4% da população empregada. Mas o emprego caiu 6% em termos de total nas 500 M&M.

O contributo das 500 M&M para os cofres públicos, considerando apenas o imposto sobre o rendimento do exercício, foi de 1,65 mil milhões de euros em 2011, menos 2,1% do que no ano anterior.

As 10 maiores empresas portuguesas
1 PETRÓLEOS DE PORTUGAL — PETROGAL

2 EDP SERVIÇO UNIVERSAL

3 EDP DISTRIBUIÇÃO — ENERGIA

4 MODELO CONTINENTE — HIPERMERCADOS

5 PINGO DOCE LVT

6 EDP — ENERGIAS DE PORTUGAL

7 VOLKSWAGEN AUTOEUROPA

8 TAP — TRANSPORTES AÉREOS PORTUGUESES LVT

9 REPSOL PORTUGUESA

10 ESTRADAS DE PORTUGAL





A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
asCetaf4uxmv 16.11.2016

http://nexiumotc.review/ - nexium otc http://clindamycin-phosphate.science/ - clindamycin phosphate http://cialis-on-line.trade/ - cialis

JOAOPIRES5 18.11.2012

ALÉM DISSO ALIMENTAM O EMPREGO....

PARABÉNS POIS A ESSAS EMPRESAS.....ALTO SENTIDO PATRIÓTICO

JValente 17.11.2012

Nos dias que correm, estar com discussoes sobre se as melhores empresas sao realmente portuguesas ou nao, eh uma IDIOTICE que so mostra a visao curta do nosso povo! Sao empreas boas, que geram riqueza e emprego. Porque sao bem geridas geram tambem lucros e pagam impostos (coisa que poucos da maioria dos comentadores, chulos, nao fazem!). Portanto so temos eh que aplaudir e imitar! E deixar-nos de orgulhos idiotas, invejosos e mal agradecidos!

MARCO 17.11.2012

Penso que deves reflectir mais um pouco sobre os teus conceitos de uma empresa.Uma empresa, grosso modo funciona como nós, senão vejamos.Vendem mais caro do que custou, nenhum de nós trabalha de borla, elas ganham dinheiro, criando emprego e ajudando a economia nacional.Vão pagar impostos, onde pagam menos, exactamente como nós. Mara uma empresa, não tem de distribuir os lucros, assim como nós não distribuímos as nossas economias. Os lucros liquidos, são para renumerar quem correu o risco do investimento e para reinvestir na empresa.

ver mais comentários
pub