Transportes Maioria dos operadores de transporte público falha na informação aos passageiros

Maioria dos operadores de transporte público falha na informação aos passageiros

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes quer que os operadores procedam no prazo de quatro meses à reanálise e compilação, num contrato de transporte, de todas as regras contratuais gerais relativas à sua relação com os passageiros.
Maioria dos operadores de transporte público falha na informação aos passageiros
Bruno Simão/Negócios
Negócios 15 de maio de 2017 às 12:13

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) concluiu, numa acção de diagnóstico junto de 59 operadores de diferentes modos de transportes, que quase 90% dos operadores avaliados não demonstram possuir ou divulgar um contrato de transporte.


Em comunicado, o regulador do sector explica que esta acção foi preventiva e teve como objectivo a recolha de informação sobre regras constantes de cláusulas contratuais gerais em vigor em cada um deles, como os direitos e obrigações de operadores e passageiros, sistema tarifário e bilhética. A avaliação da legalidade das referidas cláusulas será realizada numa segunda fase, refere.

O relatório, que foi terminado em Abril, conclui que uma parte relevante dos operadores (88%) "revela alguma insuficiência e uma grande dispersão de informação, bem como a falta de uniformização e de divulgação adequada de conteúdos relativos aos serviços prestados e aos direitos e obrigações de utilizadores, o que, potencialmente, pode limitar o exercício dos direitos dos passageiros".

De acordo com a AMT, a falta de certeza sobre se a informação divulgada tem carácter vinculativo em todos os aspectos específicos da relação operador-passageiro também dificulta a avaliação integral da sua legalidade, bem como da qualidade dos serviços prestados.

O regulador refere ainda que 12% dos operadores, sobretudo os ferroviários, apresentam conformidade formal elevada, "demonstrando possuir e divulgando um contrato de transporte e cláusulas contratuais gerais, com um amplo leque de normas que rege a relação entre passageiro e operador".

Já em 44% dos casos foi detectada uma conformidade formal média, não demonstrando estes operadores "possuir ou divulgar um contrato de transporte, mas apresentando informação abrangente e com detalhe, nomeadamente nos seus websites".

A AMT diz ainda que são também 44% os operadores que apresentam uma conformidade formal reduzida, ou seja, estes operadores não demonstram possuir ou divulgar contrato de transporte, apresentando informação dispersa e com menos grau de detalhe de acessibilidade, designadamente nos seus websites.

A AMT recomenda assim que os operadores de transporte procedam, no prazo de quatro meses, à reanálise e compilação, num contrato de transporte, de todas as regras contratuais gerais que digam respeito à sua relação específica com os passageiros, para posterior avaliação da legalidade de todas as disposições.

A acção levada a cabo pelo regulador permitiu ainda concluir que "o actual enquadramento legal necessita de ser reanalisado, com o objectivo de conferir uma maior uniformidade e articulação entre os diversos modos de transporte, incluindo os modos metro, eléctrico e fluvial". Isto, acrescenta, "tendo em vista a protecção adequada das viagens intermodais e da actividade de entidades de gestão operacional de sistemas de bilhética e tarifários de suporte à mobilidade.

Com esta iniciativa, a AMT diz pretender assegurar aos consumidores um melhor conhecimento e exercício dos seus direitos e um melhor acompanhamento e avaliação dos níveis de serviço e de funcionamento do mercado por parte das entidades fiscalizadoras e de supervisão.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub