Banca & Finanças Mais de três anos depois, Carlos Tavares defende papel da CMVM no BES

Mais de três anos depois, Carlos Tavares defende papel da CMVM no BES

Papel comercial e aumento de capital: estes são dois aspectos dos últimos anos de vida do BES em que o ex-líder da CMVM defende a intervenção do regulador.
Mais de três anos depois, Carlos Tavares defende papel da CMVM no BES
Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro 27 de outubro de 2017 às 11:27

Carlos Tavares, um ano após a saída da presidência da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, continua a defender o papel desempenhado no supervisor do mercado de capitais no caso Banco Espírito Santo.

 

Numa conferência onde falava do documento de reforma da supervisão financeira que elaborou, a pedido do Governo, Carlos Tavares recuou três anos, até aos meses anteriores à queda do BES.

 

"Ainda se ouve dizer que a CMVM viabilizou o aumento de capital de 2014. E que tinha conhecimento da situação do BES. A CMVM não tinha e não tem possibilidades de impedir aumentos de capital", declarou Carlos Tavares, repetindo uma postura já assumida anteriormente, nomeadamente na comissão de inquérito à gestão do Grupo Espírito Santo e do banco.

 

Em Maio e Junho de 2014, o BES realizou um aumento de capital de mais de mil milhões de euros, pouco antes de o banco então liderado por Ricardo Salgado começar a enfrentar dificuldades que acabaram por conduzir à intervenção administrativa do Banco de Portugal.

 

"Toda a informação foi disponibilidade ao público e era muita", lembrou, igualmente, o ex-presidente da CMVM, na conferência que teve lugar em Lisboa esta sexta-feira, 27 de Outubro. O prospecto do aumento de capital teve de incluir os vários riscos que o banco enfrentava, como os inquéritos que estavam em curso no Luxemburgo, mas o regulador sempre argumentou que não tinha poderes para impedir a operação, através da qual ganhou novos accionistas que, a 3 de Agosto de 2014, perderam todo o seu investimento.

 

Outro tema referido por Carlos Tavares na sua intervenção foi o papel comercial vendido aos balcões do BES e emitido por sociedades do Grupo Espírito Santo, entre as quais a Espírito Santo International, que tinha contas falsificadas. A comercialização desses títulos de dívida "não carecia de qualquer intervenção".

 

Na defesa do modelo de reforma de supervisão financeira que propõe, Carlos Tavares defendeu que não há infabilidade. "Não há bons modelos que resistam às pessoas erradas", disse.

 

Comparando esta sua proposta, que o Governo irá agora tornar em lei após os contributos recebidos no período de consulta pública terminado no dia 20 de Outubro, com o que ocorreu há três anos no BES, Carlos Tavares considerou que "o modelo [agora] proposto teria implicado [nessa altura] a troca de informações simétricas [entre os supervisores], uma melhor articulação entre o Ministério das Finanças e os supervisores".

 

O BES caiu a 3 de Agosto de 2014, e continua a ser um assunto discutido, especialmente nos tribunais. Ainda esta sexta-feira, o Negócios dá conta de uma troca de pareceres entre o Banco de Portugal e Ricardo Salgado relativamente a factos de há mais de três anos. 




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Crucificado do BES Há 3 semanas

Tarde piaste, ó fadista !

comentários mais recentes
RE: Marta Há 3 semanas

“Tanto regulador para tão pouco mercado. Um chegava bem”
Em teoria tens razão, Ó Marta ! Bastava um Banco de Portugal a trabalhar a sério para dar conta do recado.
Mas com o atual Banco de Portugal (não obstante a grande competência da maioria dos seus técnicos) ainda podia acontecer pior que situações de bradar aos céus como:
1) A gestora de Pensões da CGD , de que tu foste presidente (se és a Marta que eu penso,) está com o mandato de presidente caducado há…2 anos, não obstante responsabilidades da ordem dos biliões de € !
2) O BP, com compliance colocada dentro da CGD (em acréscimo à própria compliance da CGD) não se terá oposto (se é que teve conhecimento) de que um conhecido administrador de empresa da CGD tivesse solicitado um empréstimo para alegadamente pagar o IRS resultante de atividades quase de certeza exercidas à margem da sua atividade de administrador, e o empréstimo lhe tivesse sido sido concedido sem quaisquer reticências pelos outros administradores seus pares!

Ouriço Caixeiro Há 3 semanas

Se esta Marta é a que eu penso, então confirma-se a minha ideia pessoal sobre a história recente do nosso banco público:
1-Servindo magnificamente alguns elementos da classe politica e dos seus afilhados, terá ficado muito aquém, em múltiplos domínios, do que teria capacidade para fazer pelos seus clientes em particular, e em geral pelos seus verdadeiros acionistas, os cidadãos Portugueses ;
2-Não terá sido a Referência que sempre disse querer ser em termos de fazer vingar entre o seu pessoal princípios de ética e de meritocracia, e em termos de dar aos seus clientes produtos com a qualidade que tinha capacidade para lhes dar;
3-Mas, em abono da verdade, reconheça-se que ainda tem (o que é importante) funcionário(a)s que são paradigmas de profissionalismo, e (o que é menos importante mas que é impossível deixar de reparar), funcionárias como esta Marta, também com excelente apresentação.

RE: Aleluia, Aleluia: voltou a Dra. Marta.. Há 3 semanas

Camarada:
Referes-te à Marta Magalhães do Fundo de Pensões da Caixa Geral de Depósitos?
Se é o caso, estou de acordo contigo: conhecia-a em nova e teria votado nela para "Miss Mercado de Capitais" ou Miss CGD
Se a vires, manda-lhe um abraço
Zorro

Aleluia, Aleluia: voltou a Dra. Marta.. Há 3 semanas

Chegou a ser a Senhora mais bonita no Mercado de Capitais em Portugal;
Não era propriamente muito competente na matéria, mas era muito trabalhadora, dinâmica e ninguém nunca lhe negou um bom coração;
Passou por período em que o poder lhe subiu à cabeça, mas avaliar pelo comentário aqui inserido, é possível que tenha voltado a recuperar as Qualidades do Passado;
Aleluia, Aleluia, com a acutilância e dinamismo de sempre, terá voltado a Dra. Marta...
Que tenha muita saúde e ainda longa vida.

ver mais comentários
pub