Banca & Finanças Mais de três anos depois de nascer, Novo Banco é vendido

Mais de três anos depois de nascer, Novo Banco é vendido

Com a venda de 75% do capital à Lone Star, termina a medida de resolução aplicada ao Banco Espírito Santo. O Novo Banco deixa de ser um banco de transição. Os americanos só têm de ficar três anos.
Mais de três anos depois de nascer, Novo Banco é vendido
Sara Matos
Diogo Cavaleiro 18 de outubro de 2017 às 11:55

O Novo Banco foi vendido aos três anos e dois meses de vida. No mesmo sítio em que foi constituído, mas a uma hora diferente. O contrato através do qual o Fundo de Resolução se desfez de 75% da instituição financeira constituída a 3 de Agosto de 2014 foi assinado esta quarta-feira, 18 de Outubro, entre o vendedor e o comprador, o fundo americano Lone Star. A medida de resolução aplicada ao Banco Espírito Santo terminou.

 

Foi na mesma sala em que o Novo Banco foi constituído, na conferência de imprensa dada por Carlos Costa em 2014, que foi dada a palavra final para a sua venda. Com representantes do regulador da banca, do comprador e jornalistas, a operação avançou.

 

Donald Quintin, representante da Lone Star, Luís Máximo dos Santos, vice-governador e responsável do Fundo de Resolução, e Carlos Costa, governador, deixaram as suas assinaturas na declaração de transferência. 

 

A Lone Star compra 75% do banco presidido por António Ramalho por zero euros, avançando com um aumento de capital de 750 milhões de euros, comprometendo-se, até ao final deste ano, a injectar outros 250 milhões. Em Março, aquando do anúncio da operação, a intenção era que este reforço adicional fosse concretizado em três anos.

 

O Fundo de Resolução, que funciona junto do Banco de Portugal, continua a ser dono de 25% do Novo Banco, assumindo, igualmente, um mecanismo de capitalização contingente, em que poderá ter de colocar 3,9 mil milhões de euros caso um conjunto de activos perca valor e viole um certo nível, pré-definido, de capital.

 

Lone Star não pode vender em três anos

 

Comprando em Outubro de 2017, o fundo americano Lone Star, que faz o investimento através do seu fundo chamado Nani, não poderá vender a sua participação no Novo Banco no prazo de três anos, estando proibido de fazer operações entre entidades do grupo que envolvam o banco. Já o banco está impedido de fazer a distribuição de dividendos aos accionistas. 

 

Com esta operação, fica fechada a medida de resolução determinada a 3 de Agosto de 2014, que colocou fim ao BES enquanto banco comercial. O Novo Banco perde, também, o estatuto de banco de transição, passando a ser uma instituição como as restantes. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 dias

Novo Banco não é vendido. Porque alguém só compra qd dá algo em troca, ora a Lone Star pagou 0 euros pela compra. Bela compra n há dúvida?!
- Novo Banco foi doado à Lone Star(fundo abutre norte-americano), onde o Estado ainda terá o risco de ter de entregar a esse fundo 3,9 mil milhões de euros.
Dp n digam que n existem negócios da China neste Pais.

General Ciresp Há 2 dias

Com 3 anos e 2 meses de vida ja deve dizer:mama ou papa da-me um gelado,mas se foi uma nascenca duma falha(sem condom)provavelmente ainda usa laio.Muito debil.

Saber mais e Alertas
pub