Transportes Mais estações de metro em Lisboa. Onde é que já vimos isto?

Mais estações de metro em Lisboa. Onde é que já vimos isto?

Em Agosto de 2009, um mês antes das autárquicas, houve o anúncio de 30 novas estações. Não avançou. Este ano, estão prometidas duas até 2022. Cristas pede 20. Em 2004, havia a proposta para a linha das colinas.
Mais estações de metro em Lisboa. Onde é que já vimos isto?
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 11 de maio de 2017 às 13:37

Trinta novas estações. Infantado, Hospital Amadora-Sintra, Alcântara e Sacavém são exemplos. Uma linha circular. Um investimento de 2,5 mil milhões de euros. Foi em Odivelas que Ana Paula Vitorino, secretária de Estado dos Transportes, apresentou o plano de expansão do Metro de Lisboa para ser concretizado entre 2010 e 2020. Era 2 de Agosto de 2009. A proposta, da autoria da administração e do Governo de José Sócrates, recebera o voto favorável da Câmara, liderada por António Costa, com a abstenção do PSD.

 

O plano, apresentado mais de um mês antes das eleições legislativas e a dois meses das autárquicas, não se concretizou. Era a altura das obras públicas em Portugal, como o TGV, mas também o período em que a crise financeira mundial se fazia sentir – e no ano seguinte viria a crise da dívida.

 

Naquele mês de Agosto, foi cumprida a extensão da Alameda a São Sebastião mas, desde aí, as únicas extensões do Metro de Lisboa foram a do Oriente ao Aeroporto, em 2012, e da Amadora Este à Reboleira, no ano passado. Ana Paula Vitorino tinha dito que, se o PS ganhasse as eleições de 2009, a expansão do metro aconteceria, criticando o PSD de então, que queria a suspensão das grandes obras públicas. O PS ganhou mas não aconteceu a expansão. E o Governo caiu dois anos depois, com a crise da dívida a atingir Portugal. O Executivo de Passos Coelho congelou o investimento nos transportes.

 

Em 2017, a linha vermelha estende-se entre São Sebastião e Aeroporto e não entre o Alvito e o Hospital Amadora-Sintra, como apontava aquele projecto. A linha circular, que uniria as actuais linhas verde e amarela, com a criação das estações de São Bento e Santos para ligar o Rato ao Cais do Sodré, continua sem existir.

 

O recente anúncio e a resposta de Cristas

 

A 8 de Maio 2017, a cerca de cinco meses das eleições autárquicas, a ideia da linha circular regressa. O Governo, com António Costa na liderança, promoveu uma cerimónia, presidida pelo ministro do Ambiente João Matos Fernandes, para anunciar o plano de desenvolvimento operacional da rede, em que consta a criação de duas novas estações – desta vez, Santos e Estrela – para cumprir a linha circular, até ao final de 2021.

 

Os planos estimam um custo em torno de 500 milhões de euros, que incluem ainda a previsão da extensão da linha vermelha, unindo São Sebastião a Campo de Ourique. Fernando Medina, actual presidente da Câmara que ainda não confirmou se é candidato às próximas eleições, esteve na cerimónia para dizer que espera que, no futuro, haja um prolongamento até Alcântara. Ou a ligação do Campo Grande ao Aeroporto, já prevista no plano de 2009.

 

Foi em resposta a este anúncio que Assunção Cristas, candidata do CDS à presidência do município, propôs, no debate quinzenal com o primeiro-ministro, a expansão da rede com a construção de 20 novas estações, como Loures, Sacavém e Algés. Do conjunto de propostas da deputada centrista, que defende que é necessária "ambição" para o Metro de Lisboa, apenas quatro não constavam já do plano apresentado por Ana Paula Vitorino em 2009.


O PSD continua contra o projecto, por não fazer sentido. À esquerda, também há críticas, adiantando que a prioridade é a regularidade da frequência do metro e a contratação de funcionários. 

 

A carregar o vídeo ...


A linha das colinas

 

Recuando mais tempo, também se encontra o plano de 2004 para o metro, então com António Mexia, actual presidente da EDP, no Ministério das Obras Públicas e dos Transportes. Em Outubro, quando começou a construção da extensão da Alameda a São Sebastião, foi o secretário de Estado dos Transportes, Jorge Borrego, que revelou um projecto do Governo, que ainda carecia de avaliação por parte do Metro.

 

Em causa estava a linha das colinas, que se esperava que pudesse estar operacional em 2010. O objectivo era ligar Campo de Ourique a Santa Apolónia, passando pelo Príncipe Real, Penha de França e Graça. Na altura, o que se sabia era que não poderia ser um comboio tradicional a fazer o trajecto, tendo em conta a inclinação existente no troço.

A ideia do Governo PSD/CDS de Santana Lopes, que tinha entrado em funções em Julho após a saída de Durão Barroso para a Comissão Europeia e que cairia no final daquele ano, nunca se concretizou. Não foi a única. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado IS 16.05.2017

Foi menos uma concretização do megalómano. Assunção Cristas esteve mal!

comentários mais recentes
IS 16.05.2017

Foi menos uma concretização do megalómano. Assunção Cristas esteve mal!

pub