Energia Mais um activo do Grupo Espírito Santo à venda: as mini-hídricas no Brasil

Mais um activo do Grupo Espírito Santo à venda: as mini-hídricas no Brasil

A comissão liquidatária da Rioforte abriu um processo de venda da brasileira Luzboa, empresa que opera em pequenas barragens no Brasil.
Mais um activo do Grupo Espírito Santo à venda: as mini-hídricas no Brasil
Miguel Baltazar
Diogo Cavaleiro 11 de agosto de 2017 às 18:22

Há mais um activo do antigo Grupo Espírito Santo que está disponível para vender. Desta vez, é a gestora de barragens de reduzida dimensão do Brasil, Luzboa. O processo de alienação inicia-se já neste mês de Agosto.

 

"A Euroamerican Finance, uma subsidiária totalmente detida pela Rioforte Investments, detém 97,77% das companhias brasileiras Luzboa S.A., Luzboa Um S.A., Luzboa Dois S.A., Luzboa Três S.A. e Luzboa Quatro S.A.", indica a comissão liquidatária da Rioforte no site das insolvências do Grupo Espírito Santo que estão a decorrer no Luxemburgo.

A Luzboa brasileira é distinta da empresa Luzboa que opera em Portugal.

 

Segundo a mesma fonte, "estas empresas operam pequenas centrais hidroeléctricas, localizadas no estado de Minas Gerais, com uma carteira que excede os 80 megawatts de capacidade instalada, dos quais apenas 2,8 megawatts estão operacionais".

 

Com o lançamento da operação, os responsáveis pela insolvência da Rioforte acreditam poder vir a contactar potenciais investidores na segunda metade de Agosto. A Daemon Investimentos é a assessora financeira da operação que envolve uma empresa criada em 2001 pelo GES, segundo o jornal brasileiro Diário do Comércio. 

 

A venda da participação na energia é apenas uma das alienações de activos que a Rioforte está a tentar promover no Brasil - e no mundo onde o GES se encontrava. A Cobrape – Companhia Brasileira de Agropecuária foi colocada em processo de venda, mas não houve ofertas vinculativas, pelo que a oferta caiu. O arresto de bens do Grupo Espírito Santo decretado pela justiça portuguesa – e a que as autoridades brasileiras acolheram – limitou a agilidade nos processos de venda no Brasil, podendo até, segundo os curadores de insolvência da Rioforte, conduzir à insolvência das sociedades.

 

A venda de activos da Rioforte tem como objectivo cobrir as reclamações dos credores. A 30 de Abril esta sociedade do antigo GES detinha 139 milhões de euros depositados, o que representa 3,75% da dívida total de 3,7 mil milhões que foi reclamada em mais de 1.400 declarações. Nessa altura, os curadores da insolvência revelaram que tinham sido retiradas reclamações avaliadas em quase 700 milhões. Mesmo assim, o total existente nos cofres da Rioforte cobre menos de 5% do valor reclamado. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 1 semana

Apanha-se MUITO deste ladrao salgado capela,pelos vistos ainda e MUITO pouco para o manter enjolado.

pub
pub
pub
pub