Crédito Malparado no crédito à habitação em mínimos de 2013

Malparado no crédito à habitação em mínimos de 2013

O crédito malparado das famílias aumentou, apenas devido aos contratos de financiamento para outros fins, onde se encontra a educação, a energia ou a saúde. Nos contratos de crédito à habitação o malparado está em níveis de 2013 e no crédito ao consumo em níveis de 2009.
Malparado no crédito à habitação em mínimos de 2013
Reuters
Sara Antunes 08 de agosto de 2017 às 12:30

O crédito malparado das famílias, ou seja, a percentagem de incumprimento face ao total do financiamento concedido, aumentou, em Junho, para 4,20%, o que corresponde ao valor mais elevado desde Setembro de 2016, de acordo com os dados divulgados pelo Banco de Portugal esta terça-feira, 8 de Agosto.

 

Esta evolução é justificada apenas pelo destino de financiamento de "outros fins", onde se inclui financiamento para saúde, educação ou energia. Neste segmento verificou-se não só um aumento do volume em incumprimento para 2.028 milhões de euros, como uma redução do montante total financiado (8.540 milhões de euros). Assim, o peso do malparado neste segmento voltou a disparar para 23,75%, o que corresponde ao valor mais elevado de sempre.

 

Este segmento já está bastante equiparado ao malparado verificado no crédito à habitação, cujo volume ascende a 2.101 milhões de euros e que costuma ser o mais elevado, já que também movimenta muito mais dinheiro (93.767 milhões). Porém, o peso do incumprimento neste destino de financiamento desceu para 2,24%, em Junho, representando o valor mais baixo desde Setembro de 2013.

 

Já no crédito ao consumo, o malparado desceu para 5,52%, o que representa mesmo o nível mais baixo de incumprimento desde Janeiro de 2009. A última vez que o peso do malparado no crédito ao consumo tinha estado abaixo dos 6% foi em Abril de 2009, desde então esteve sempre acima dessa fasquia, tendo atingido o pico de 12,26% em Março de 2013.

 

Malparado nas empresas em mínimos de 2014

 

No que respeita às empresas também se assistiu a uma melhoria do cenário, o que é habitual nos fechos de trimestre (como é o caso) porque a banca costuma aproveitar estas alturas para limpar as suas carteiras de crédito.

 

Assim, no final do segundo trimestre do ano, as empresas tinham 10.618 milhões de euros em crédito malparado, o que corresponde a 14,14% do total dos financiamentos concedidos (75.096 milhões de euros).

 

Este valor representa uma queda face ao mês anterior e corresponde mesmo ao nível de incumprimento mais baixo desde Outubro de 2014.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Gabriel Há 1 semana

Super PS

pub
pub
pub
pub