Desporto Manchester City com receitas recorde de 537 milhões de euros em 2016-17

Manchester City com receitas recorde de 537 milhões de euros em 2016-17

Na época transacta, a primeira com Pepe Guardiola como treinador, os "citizens" alcançaram receitas de 537 milhões de euros, o maior valor de sempre na terceira época consecutiva de lucros. As receitas televisivas foram determinantes para os resultados financeiros do clube inglês.
Manchester City com receitas recorde de 537 milhões de euros em 2016-17
reuters
David Santiago 08 de novembro de 2017 às 18:39

A época passada não foi positiva para o Manchester City, pelo menos em termos desportivos, com o clube precocemente afastado da luta pela conquista da liga inglesa. Porém, em termos financeiros, o ano desportivo de 2016-2017 foi um dos melhores de sempre para os "citizens", que registaram o maior volume de receitas de sempre.

 

De acordo com os resultados apresentados esta quarta-feira, 8 de Novembro, na época transacta o clube inglês registou receitas recorde no valor de 473,4 milhões de libras (537,4 milhões de euros), o que representa um aumento de 21% relativamente ao exercício de 2015-2016.

 

A contribuir para estes resultados estiveram os contratos de transmissão televisiva assinados pelos clubes ingleses, assinados no ano passado. O novo ciclo de transmissões televisivas valem mais de 8 mil milhões de libras (9 mil milhões de euros) em três anos (a época passada, a presente e a próxima).

 

A receita televisiva do City cresceu de 161,4 milhões de libras (183,2 milhões de euros) em 2015-2016 para 203,5 milhões de libras (231 milhões de euros) na última época, um aumento de 21%.  

 

Também as receitas comerciais cresceram 23% para 218 milhões de libras (247,5 milhões de euros), potenciadas em especial pelas novas parcerias assinadas com a NexEn que nesta época patrocina as camisolas dos "citizens". Os diversos espectáculos musicais que tiveram lugar no estádio Etihad também apoiaram o aumento das receitas comerciais.

 

Com receitas totais de 537 milhões de euros, o City ficou somente atrás – no que a clubes ingleses diz respeito – do Manchester United (perto de 660 milhões de euros de receitas), considerado pelos analistas da consultora Deloitte como o clube mais rico do mundo.

 

Nas últimas três janelas de transferências o City de Guardiola gastou 375 milhões de libras em contratações de jogadores, com destaque para Sane, Gabriel Jesus, Walker ou Bernardo Silva.

 

O facto de ter sido considerado um período de 13 meses em vez dos 12 habituais, fez com que os lucros fossem pouco superior a 1 milhão de libras (1,14 milhões de euros), escreve o Independent. Foram assim considerados os meses de Junho de 2016 e deste ano, mês em que as receitas caem por não haver jogos e a despesa aumenta com contracções e pagamento de bónus e comissões.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Zé do boné Há 1 semana

Venho avisar que prenderam o Macaco e o C.Manhão ainda não deu a noticia .O que passa-se?