Banca & Finanças Manuela Ferreira Leite rejeita interferência na CGD no seu mandato

Manuela Ferreira Leite rejeita interferência na CGD no seu mandato

A ministra das Finanças entre 2002 e 2004 não se envolveu no quotidiano da CGD. Dava só autorizações a nível estratégico. Nunca a nível de crédito, por exemplo.
Manuela Ferreira Leite rejeita interferência na CGD no seu mandato
Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro 13 de dezembro de 2016 às 17:43

Naquela que foi a sexta audição da comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos, a ministra das Finanças entre 2002 e 2004, Manuela Ferreira Leite, rejeitou ter tido qualquer papel na operação quotidiana do banco público.

 

"Nunca interferi em nada da administração da CGD que não fosse aquilo que, exclusivamente, era da minha competência", disse a antiga governante aos deputados esta terça-feira, 13 de Dezembro, no Parlamento.

 

Segundo Ferreira Leite, o "ministro das Finanças tutela a CGD mas não é administrador da CGD". Nesse sentido, não tinha qualquer posição a tomar sobre o que era a actividade diária do banco público: "Nunca interferi em qualquer concessão de crédito. Não é função do ministro das Finanças". Nesse sentido, afirmou, "seria estranho" que a administração ou clientes lhe colocassem questões relativas a créditos. 

 

Além disso, enquanto foi ministra das Finanças, num momento em que Mira Amaral era presidente executivo e António de Sousa presidente da administração, não foi alertada nem pela Inspecção-Geral das Finanças nem pela Direcção-Geral do Tesouro e Finanças sobre qualquer problema. Na altura, o banco era uma instituição "absolutamente sólida".

 

As intervenções de Manuela Ferreira Leite foram, a nível estratégico, em relação à presença em Espanha, onde aprovou a participação em operações de concentração (que falharam), e em relação ao sistema de organização, que não conseguiu operacionalizar devido à saída de Durão Barroso.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub