Empresas Mapa: Como os postos de correios dos CTT estão distribuídos pelo país

Mapa: Como os postos de correios dos CTT estão distribuídos pelo país

No final do ano passado os CTT tinham 1.724 postos do correio. Veja como estavam distribuídos pelo país.  
Nuno Carregueiro 05 de dezembro de 2017 às 16:44

O Instituto Nacional de Estatística publicou recentemente dados sobre o número de estações de correios e postos dos correios dos CTT. No dia em que se assinala o quarto aniversário da entrada da empresa em bolsa, o Negócios publica o mapa com a distribuição geográfica de todos os postos.

 

Os CTT têm dois tipos de pontos de atendimento ao público: os postos de correio e as estações de correio. Estas últimas, que correspondem às lojas próprias, eram 615 no final de 2016 e têm vindo a diminuir nos últimos anos (eram 783 em 2011).

 

Quantos aos postos de correio, eram em número bem superior. No final de 2016 existiam 1.724 postos, um número inferior ao registado em 2011 (1.778), mas superior ao de 2014 (1.694).

 

Estes postos são geridos por terceiros através de parcerias com juntas de freguesia, negócios de proximidade ou privados. Esta medida, inserida na reorganização da rede implementada em 2013, levou a que em algumas zonas do país os serviços dos CTT fossem efectuados em mercearias ou papelarias por exemplo, o que gerou algumas críticas na altura.

 
Este mapa pode sofrer alterações em breve, já que os CTT vão apresentar um plano de reestruturação, sendo que em causa poderá estar o encerramento de balcões ou concessão da gestão a terceiros.

O mapa em cima reflecte apenas os postos de correio, sendo que na grande maioria dos concelhos existe apenas uma estação de correios. Devido ao serviço público que presta, os CTT estão presentes em todos os concelhos. Nas mais de uma dezena de concelhos onde não tem postos de correio, os CTT estão presentes com estações.

 

E são apenas dois os concelhos onde não está presente com estações de correio (Pedrógão Grande e Gavião).

 

O mapa com a distribuição dos postos de correio mostra que existem em maior número no litoral, embora sejam vários os concelhos do interior com uma representação elevada.

 
Sara Ribeiro, jornalista do Negócios, explica o que está a acontecer com os CTT:

A carregar o vídeo ...

Veja o retrato do sector portal na Europa:

 

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pedro Há 1 semana

Tão mau como encerrar estações é não ter funcionários suficientes. Já não basta não efetuarem a entrega da correspondência em casa (pergunto, neste caso o selo é mais barato?) como de cada vez que se vai a estação é uma bicha infindável. Perdemos o nosso tempo em prol do lucro desenfreado.

F. LACERDA É UM VERDADEIRO INCOMPETENTE Há 1 semana

O actual CEO dos CTT destruiu, com o encerramento de inúmeros balcões, no sentido mais literal da palavra, a Instituição CTT, q, através dos decénios - desde o tempo dos CORREIOS, TELÉGRAFOS E TELEFONES, dp, TELEFONES DE LISBOA E PORTO - desempenhou um elevado serviço social junto das populações.

Saber mais e Alertas
pub