Banca & Finanças Marcelo admite que solução para lesados do BES pode ter "algum pequeno custo" para contribuintes

Marcelo admite que solução para lesados do BES pode ter "algum pequeno custo" para contribuintes

Ontem também o primeiro-ministro reconheceu que poderá haver aquilo que denominou de risco "diminuto" para o Estado com solução para os "lesados" do BES.
Marcelo admite que solução para lesados do BES pode ter "algum pequeno custo" para contribuintes
Miguel Baltazar
Lusa 23 de Dezembro de 2016 às 18:39
O Presidente da República afirmou hoje que a solução para os lesados do Banco Espírito Santo (BES), embora seja "um veículo privado", fora da esfera do Estado, pode implicar, a prazo, "algum pequeno custo" para os contribuintes.

Em declarações aos jornalistas, no Palácio de Belém, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que a solução apresentada não é "a solução ideal", mas "diminui a situação de sofrimento e de penosidade" dos lesados do BES, e representa "um compromisso do Governo que é cumprido".

Quanto a um eventual impacto no défice, o chefe de Estado disse que, "para já, sendo um veículo privado, não se coloca o problema de ir ao défice deste ano ou do próximo ano".

Mais a prazo, "se houver custo para os contribuintes", no seu entender, "como é uma realidade extraordinária, pode não ser considerada pela Comissão Europeia para efeitos de défice excessivo".

Na segunda-feira, dia em que o Governo anunciou a solução para os lesados do BES, o Presidente da República foi questionado sobre o assunto, mas disse que ainda não conhecia os termos do acordo e que, antes de fazer qualquer comentário, queria perceber exactamente qual era "o esquema em termos de financiamento".

Hoje, interrogado novamente sobre este tema, declarou: "É um compromisso do Governo que é cumprido. Por outro lado, não sendo uma solução ideal, e deixando às pessoas a hipótese de ir para tribunal, se quiserem, é para muitos uma forma de não esperar por processos que não se sabe quando terminarão".

"Portanto, não sendo a solução ideal, é uma solução que diminui a situação de sofrimento e de penosidade em que se encontram", reforçou.

Quanto "à grande preocupação, legítima, que é a de saber se poderá sair do bolso dos contribuintes", Marcelo Rebelo de Sousa disse que "a solução encontrada é um veículo privado, portanto, que não entra na esfera do Estado, e que vai tentar gerir aquela realidade patrimonial".

"No fim dessa gestão, que está prevista para três anos, salvo erro, se verá se há uma diferença negativa, sim ou não. Se houver uma diferença negativa, isso pode significar algum pequeno custo - esperemos que pequeno - em termos de contribuintes. Se não houver diferença negativa, não haverá custo para os contribuintes", prosseguiu.

"Veremos como é que a gestão vai ocorrer", concluiu.

Nestas declarações no Palácio de Belém, antes de responder a questões dos jornalistas, o Presidente da República voltou a desejar um bom Natal "a todos os portugueses, àqueles que vivem cá dentro, aos que vivem lá fora, àqueles que estão em missão militar", e também um bom ano de 2017.

Marcelo Rebelo de Sousa disse que "o Natal é um tempo de família" e que é função do Presidente da República "pensar em toda a família portuguesa, independentemente das ideias, das religiões, das convicções, da maneira de ver a vida e o mundo".

"Portanto, eu estou solidário com todos, sobretudo com os mais sacrificados, aqueles que mais sofrem, aqueles que estão em situação de maior dor", acrescentou, deixando uma palavra especial para os que vivem "em sociedades e em economias que estão atravessadas por crises, por guerra, por conflitos".

(Notícia actualizada às 18:58 com mais informação)



A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado gatogato Há 3 semanas

Para quê inventar? Se não sabes, não fales. O PR fala, fala apenas para não estar calado.

comentários mais recentes
pertinaz Há 3 semanas

PQP

António Ribeiro Há 3 semanas

É evidente que o contribuinte vai acabar por pagar e muito. A solução encontrada é injusta e desequilibrada. Há outros investidores não qualificados que não são abrangidos, os que foram pressionados a comprar dívida subordinada. Façam como em Itália, em que os invest. n. qual. não vão ter prejuízos.

AS Há 3 semanas

Retirando as opiniões contaminadas por orientações politicas e demagógicas, estes clientes foram Lesados por opções politicas. Saí do NB e pelo que sei, sempre lhe foi prometido reembolsarem. Mas os erros do processo da resolução e as contas de 2014 fizeram-nos uma vez mais clientes Lesados.

Alfredo Há 3 semanas

O Prof. Marcelo é uma das pessoas mais inteligentes. Sabe que a solução para estes clientes do BES e por ele Lesados tem ganhos muito superiores aos seus custos. A venda do Novo Banco pode valorizar-se um pouco mais. Chama-se pragmatismo! O contrário seriam mais perdas para os contribuintes.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub