Banca & Finanças Marcelo identifica "três peças" a resolver na banca portuguesa

Marcelo identifica "três peças" a resolver na banca portuguesa

O Presidente da República considerou hoje que o sistema financeiro português está "sólido e mais resistente a choques", mas com "três peças" ainda por resolver: a venda do Novo Banco, os activos problemáticos e a supervisão.
Marcelo identifica "três peças" a resolver na banca portuguesa
Miguel Baltazar
Lusa 16 de março de 2017 às 14:55

"São três peças importantes que ao longo dos próximos meses estarão a ser pensadas e resolvidas", declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, no final de uma conferência sobre cooperativismo financeiro, promovida pelo Crédito Agrícola, na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa.

 

Questionado se tem conversado com o Banco de Portugal e com o Governo sobre a situação do Montepio, o chefe de Estado respondeu aos jornalistas: "Eu conversas tenho tido sobre estas três peças de que vos falei, sempre na ideia da estabilização e consolidação do sistema financeiro. Não tenho mais nada a acrescentar".

 

Na intervenção que fez nesta conferência, Marcelo Rebelo de Sousa referiu-se à situação do sistema financeiro português nos seguintes termos: "Peça a peça, com paciência, como quem vai costurando um tecido em que todas as peças dependem das outras, mas não é possível resolver os problemas de todas elas ao mesmo tempo, foi viável ir refazendo o panorama sistémico, reforçando, estabilizando e consolidando".

 

"Pese embora os desafios que o sistema bancário português ainda hoje enfrenta, e há peças que estão ainda a ser equacionadas neste momento e sê-lo-ão no futuro imediato, os bancos têm em geral hoje uma situação de liquidez e de solvabilidade melhor do que aquela que tinham no passado próximo", prosseguiu.

 

Segundo o chefe de Estado, "os processos de reestruturação e de reajustamento permitem que este sector se encontre numa situação mais sólida do que no início da crise, e mesmo quando das indefinições de há um ano, permitindo-lhe melhores condições para financiar a economia".

 

"Ora, com um sector bancário financeiramente sólido e mais resistente a choques adversos, a confiança dos agentes económicos é reforçada, permitindo sedimentar as bases que potenciem o crescimento sustentável a médio longo prazo que todos desejamos", considerou.

 

À saída, o Presidente da República esclareceu que as "peças" por resolver a que se referia são "vender o Novo Banco" e "resolver o problema dos activos problemáticos", e também "o debate que já começou no parlamento sobre a supervisão".

 

Interrogado se vai participar no 'road show' da Caixa Geral de Depósitos (CGD), retorquiu: "Não, isso não. O Presidente da República não faz isso. O Presidente da República teve um gesto simbólico no arranque dessa operação, espera que corra muito bem, porque também faz parte daquilo que é a consolidação e estabilização do sistema bancário".

Quanto às nomeações para o Banco de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que "neste momento não há nada a dizer de novo sobre a matéria".

Relativamente ao cooperativismo financeiro, no seu discurso o chefe de Estado considerou que "o papel do Crédito Agrícola é fundamental" e que este banco "tem servido o país de forma ímpar", elogiando a sua presença em lugares "onde mais ninguém está".

O Presidente da República mostrou compreensão para com a dificuldade de conciliar "os princípios cooperativos" com "as regras cada vez mais exigentes" pensadas para o sistema financeiro como um todo, mas defendeu que a realidade mudou e que é preciso aceitar isso.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 1 semana

SÓ TRÊS ??? GRANDE MARTELO ...!!!

Anónimo Há 1 semana

Oh Marcelo, nem uma palavra sobre os criminosos (Salgado, Sócrates, Vara, Oliveira ... )que assaltaram os bancos e que o povo tem que repor?

J. SILVA Há 1 semana

óH Marcelo pára um pouco para pensar, mesmo que poucochinho. Os problemas da banca são: (i)- Supervisão desligada da realidade; (ii) -risco de país , a banca não tem acesso aos mercados;(iii)-A economia não funciona. Deixem os bancos gerir o seu malparado, porque isso tem sido um negócio criminoso

JCG Há 1 semana

Porra* ponham uma fralda neste fulano que ele sofre de um problema grave de incontinência.
Ó Sr Prof Marcelo, V.Exa já não é comentador (da banha da cobra) na TV, agora é o PR deste desgraçado (pelas elites que tem) país. Ninguém o avisou?

ver mais comentários
pub