Banca & Finanças Marcelo: "Não há nada de novo, tudo na mesma" no caso CGD

Marcelo: "Não há nada de novo, tudo na mesma" no caso CGD

O Presidente da República recusou novamente esta quinta-feira falar na polémica sobre a entrega de declarações de rendimentos e património pela administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), referindo que "não há nada de novo, tudo na mesma".
Lusa 10 de Novembro de 2016 às 16:37

No final de uma visita à Web Summit, em Lisboa, questionado pela comunicação social sobre como correu o seu encontro com o presidente da CGD, António Domingues, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu: "Sobre essa matéria da CGD, o que tinha a dizer está dito. Não vou mudar uma vírgula".

 

Confrontado com o facto de ter afirmado que é a única fonte de Belém, o Presidente da República retorquiu: "Por isso é que eu estou a dizer, como única fonte de Belém, que se houvesse alguma coisa nova ou diferente daquilo que eu disse, eu diria". E acrescentou: "Não há nada de novo, tudo na mesma".

 

Marcelo Rebelo de Sousa remeteu, mais uma vez, para a nota que divulgou na sexta-feira, defendendo que os administradores da CGD mantêm a obrigação legal de apresentar declarações de rendimentos e património perante o Tribunal Constitucional no início e final do mandato e têm esse dever.

 

"O que eu disse está dito e está dito de uma forma muito clara. Portanto, toda a gente percebeu e é assim que vai ser. Há quem goste mais, há quem goste menos, mas é assim", declarou.

 

Na quarta-feira, foi noticiado que o Presidente da República tinha chamado ao Palácio de Belém o presidente da CGD e que os dois se tinham reunido nesse dia, estando em causa "as condições para Domingues se manter no cargo".

 

Questionado sobre essa notícia, no final de uma cerimónia no Casino do Estoril, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu: "Eu não tenho nada a acrescentar sobre essa matéria. Eu não sou responsável por aquilo que sai na comunicação social".

 

Contactada pela agência Lusa, a assessoria de imprensa do Presidente da República também não negou nem confirmou a informação avançada pelo Expresso. A Lusa tentou também contactar a administração da CGD, sem sucesso.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub