Banca & Finanças Marcelo promete comentar nova administração da Caixa segunda-feira "logo de manhãzinha"

Marcelo promete comentar nova administração da Caixa segunda-feira "logo de manhãzinha"

"Prometo reagir. Amanhã não tenho nenhum compromisso público, mas na segunda-feira, logo de manhãzinha, reajo", disse MArcelo.
Marcelo promete comentar nova administração da Caixa segunda-feira "logo de manhãzinha"
Miguel Baltazar
Lusa 04 de dezembro de 2016 às 11:37

O Presidente da República visitou uma instituição de apoio a crianças com paralisia cerebral, tendo-se escusado a comentar outros assuntos, como a Caixa Geral de Depósitos (CGD), e resguardando tais palavras para segunda-feira "logo de manhãzinha".

"Acho que não é muito justo para o sítio onde nos encontramos [comentar a CGD]. Prometo reagir num dos próximos dias, se quiserem segunda-feira. Segunda-feira reajo longamente, mas aqui acho que era minimizar o significado desta casa e da entrega desta gente", advogou o chefe de Estado, em Lisboa, no final da visita à associação Casa do Tejo - Direito ao Lazer, ligada à Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa (APCL).

E concretizou, instado a comentar a nova administração da Caixa: "Prometo reagir. Amanhã não tenho nenhum compromisso público, mas na segunda-feira, logo de manhãzinha, reajo. Ainda vai muito a tempo, não se passa nada entre hoje à noite e domingo".

O Governo confirmou na sexta-feira que Paulo Macedo é o novo presidente executivo do banco público, sucedendo a António Domingues.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 04.12.2016

Quero saber, insisto, porque razão a CGD, que em 2014 registou prejuizos de 1139 milhões de euros, em 2015 aumentou custos com o pessoal em 15%, de 514,2 para 590,8 milhões, e os custos médios por trabalhador em 21% (atingindo os 70,2 mil euros por cabeça), quando nos outros bancos mais comparáveis tais custos médios se situaram na faixa de 40 a 50 mil euros.
Afinal, a CGD já anda a pagar muito acima do mercado.
Está-se mesmo a ver porque razão os trabalhadores da CGD não se incomodam com as remunerações excessivas que o governo oferece aos administradores: um bom pretexto para exigir igual generosidade. Puro e abjeto oportunismo!
Porque razão ningém fala nisto? Só pode ser por cobardia, por nojenta cobardia e oportunismo. Não se visa a justiça e a ética, antes gerir e servir clientelas.
É que a CGD não é de um qualquer “porco” capitalista milionário; é dos portugueses, incluindo os mais pobres, que pedem emprestado para injetar na CGD e por isso pagam um balúrdio em juros.

comentários mais recentes
Anónimo 04.12.2016

O lugar de comentador na TVI não dava reforma vitalicia. O de PR dá. Só assim, e por massagem ao ego é que se compreende a atitude deste actor circence. É preciso mais próximidade, sem dúvida, mas isto já passou a barreira do ridiculo e do exagero..

Anónimo 04.12.2016

Gostava de saber porque entregaram o Sr. R. Espirito Santo à justiça e não prenderam os gatunos da CGD(-5mil milhões!).

JCG 04.12.2016

Quero saber, insisto, porque razão a CGD, que em 2014 registou prejuizos de 1139 milhões de euros, em 2015 aumentou custos com o pessoal em 15%, de 514,2 para 590,8 milhões, e os custos médios por trabalhador em 21% (atingindo os 70,2 mil euros por cabeça), quando nos outros bancos mais comparáveis tais custos médios se situaram na faixa de 40 a 50 mil euros.
Afinal, a CGD já anda a pagar muito acima do mercado.
Está-se mesmo a ver porque razão os trabalhadores da CGD não se incomodam com as remunerações excessivas que o governo oferece aos administradores: um bom pretexto para exigir igual generosidade. Puro e abjeto oportunismo!
Porque razão ningém fala nisto? Só pode ser por cobardia, por nojenta cobardia e oportunismo. Não se visa a justiça e a ética, antes gerir e servir clientelas.
É que a CGD não é de um qualquer “porco” capitalista milionário; é dos portugueses, incluindo os mais pobres, que pedem emprestado para injetar na CGD e por isso pagam um balúrdio em juros.

pub
pub
pub
pub