Banca & Finanças Marcelo só comenta solução para os lesados depois de perceber financiamento

Marcelo só comenta solução para os lesados depois de perceber financiamento

O Presidente da República disse hoje que ainda desconhece a solução apresentada pelo Governo para os lesados do BES e que vai tentar "perceber qual é o esquema em termos de financiamento" para depois comentar o acordo.
Marcelo só comenta solução para os lesados depois de perceber financiamento
Bruno Simão
Lusa 19 de dezembro de 2016 às 18:37

"Para já, não vou dizer nada, porque ainda não percebi exactamente qual é o esquema. Vou tentar perceber qual é o esquema em termos de financiamento, depois digo-vos", declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, no final de uma visita à Sinagoga de Lisboa.

 

O chefe de Estado, que antes desta visita esteve num centro de apoio social e numa igreja anglicana, repetiu várias vezes que ainda não conhece a solução para atenuar as perdas dos lesados do Banco Espírito Santo (BES): "Não conheço. Eu andei todo o dia, como sabem, em compromissos e cerimónias, e ainda não pude conhecer".

 

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que possivelmente falará do assunto na terça-feira.

 

"Como eu não conheço a solução, eu o máximo que posso é amanhã [terça-feira], havendo uma ocasião para nos encontrarmos, poder dizer o que penso do acordo. Hoje não tive oportunidade, foram testemunhas do que foi a minha vida", declarou.

 

"Eu sei que querem saber coisas sobre a matéria, mas eu amanhã [terça-feira], se puder, digo-vos", reiterou.

 

O Governo apresentou hoje à tarde o mecanismo que permitirá minorar as perdas de cerca de 4000 clientes do BES que compraram papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES), que foi à falência, e cujo reembolso nunca receberam.

 

Segundo o primeiro-ministro, António Costa, compete agora a cada um dos lesados "avaliar e decidir da sua adesão a esta solução", que no seu entender consiste num "compromisso equilibrado" que permite reforçar a confiança no sistema financeiro português.

 

"Não conseguimos o milagre de endireitar a sombra de uma vara torta", considerou o primeiro-ministro, declarando a sensação de "dever cumprido".

 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso 19.12.2016

Com o PS é simples,pagam os portugueses .É novidade?

comentários mais recentes
AINDA NÃO PERCEBEU? 20.12.2016

Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma- Lavoisier. Agora, alguém vai adiantado aos lesados a "massa", com o aval do estado (isto é, eu e mais os outros papalvos), depois espera-se que a venda de activos possa compensar estes gastos...

António Ribeiro 19.12.2016

Esperemos que hajam investidores não qualificados que compraram dívida subordinada do BES e da ESAF que sejam amigos do Presidente, para se encontrar uma solução mais equilibrada. Pelos vistos os membros do governo ou os seus amigos só compraram papel come, ou então não o conseguiram vender a tempo.

Anónimo 19.12.2016

Mais uns votos comprados com o dinheiro dos contribuintes. É o Socialismo, ESTÚPIDOS!!!

surpreso 19.12.2016

Com o PS é simples,pagam os portugueses .É novidade?

pub