Transportes Marcha lenta de táxis pode "paralisar" o Porto na sexta-feira

Marcha lenta de táxis pode "paralisar" o Porto na sexta-feira

A Comissão dos Profissionais de Táxi do Porto (CPTP) admite "paralisar na sexta-feira o trânsito no Porto" com uma marcha lenta, em protesto contra as dificuldades que os profissionais do sector atravessam.
Marcha lenta de táxis pode "paralisar" o Porto na sexta-feira
Lusa 25 de julho de 2017 às 20:40

Um dos membros da CPTP, Pedro Vila, disse à agência Lusa que à marcha lenta que vai decorrer entre as 16:00 e as 18:00 entre a Rotunda do Castelo do Queijo e a Praça do Município, no Porto, "deverão comparecer, pelo menos, uma centena de táxis".

 

"Gostaria de ver os 750 táxis do Porto, mais todos os outros da Área Metropolitana do Porto, na marcha lenta, mas sei que isso não vai ser possível", disse Pedro Vila, pedindo "perdão às pessoas", por uma acção que, admitiu, "pode vir a paralisar a cidade".   

 

Na origem do protesto está a Lei 35/2016 - lei contra o transporte ilegal de passageiros -- que entrou em vigor em Novembro, regulamenta o acesso à actividade e ao mercado dos transportes em táxi e reforça as "medidas dissuasoras de actividade ilegal" no sector, porque aumentou as coimas pelo exercício ilegal de transporte de táxi.

 

"Pedimos audiência ao presidente da Câmara do Porto, ao comandante da Policia Municipal, à Polícia de Segurança Pública e aos grupos parlamentares da Assembleia da República e apenas o PCP nos aceitou receber", relatou o responsável pela marcha lenta, "desiludido" pela postura do Governo neste processo.   

 

"O Governo também pode e deve fazer algo, mas com este ministro do Ambiente e com o secretário de Estado José Mendes é tempo perdido", disse o taxista que considerou "estar tudo feito à medida das plataformas" electrónicas de transporte de passageiros em veículos descaracterizados, como a Uber ou a Cabify.

 

Pelo exercício da actividade sem o alvará, as coimas passaram a ser entre 2.000 e 4.500 euros (pessoa singular) e entre 5.000 e 15.000 (pessoa colectiva).

 

Uma vez concentrados junto ao Castelo do Queijo, segundo Pedro Vila, os táxis seguirão ou pela Estrada da Circunvalação ou pela Avenida da Boavista, subindo depois em direcção à Praça da República para terminarem na Praça do Município.  




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
P. Há 3 semanas

Nao faz mal eu chamo a uber outra vez :)

pub
pub
pub
pub