Banca & Finanças Maria Luís Albuquerque: Carlos Costa teve "atitude correcta"

Maria Luís Albuquerque: Carlos Costa teve "atitude correcta"

A ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque defendeu hoje que o governador do Banco de Portugal teve uma "atitude correta", alertando que "nunca pode ser posta em causa" a independência da instituição que dirige.
Maria Luís Albuquerque: Carlos Costa teve "atitude correcta"
Miguel Baltazar/Negócios
Lusa 09 de março de 2017 às 12:31

"O nosso entendimento é que a actuação do doutor Carlos Costa enquanto governador do Banco de Portugal foi uma atitude correta. Já tivemos ocasião de o dizer. Olhar para os factos hoje, com o conhecimento que se tem hoje para presumir o que deveriam ter sido actuações no passado é um exercício frequentemente perigoso e é errado, porque dá a entender que haveria possibilidade de tomar decisões diferentes quando, na verdade, o conhecimento não era o mesmo", afirmou Maria Luís Albuquerque, em declarações aos jornalistas na Guarda.

Sublinhando que além da actuação de Carlos Costa à frente do Banco de Portugal ter sido "uma intervenção muito superior à de qualquer um dos seus antecessores", a ex-ministra das Finanças defendeu que "nunca pode ser posta em causa a independência de uma instituição com esta relevância".

 

"Isso fragiliza profundamente o sistema financeiro, a imagem do país lá fora e contribui para uma deterioração do ambiente democrático", alertou Maria Luís Albuquerque, que falava à margem das XIII Jornadas de Contabilidade: Desafios de 2017, organizadas pelo Núcleo de Contabilidade da Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico da Guarda.

 

Maria Luís Albuquerque recordou ainda que o parlamento aprovou a audição de Carlos Costa, defendendo que é preciso aguardar para ver aquilo que o Governador "irá dizer aos deputados".

 

Quanto ao debate que hoje à tarde vai decorrer no parlamento sobre supervisão bancária, a ex-ministra das Finanças admitiu que "os modelos de supervisão podem ser sempre equacionados no sentido de procurar sempre as melhores soluções".

 

"A questão dos poderes de resolução estarem dentro ou fora do Banco de Portugal são ambas opções válidas, acho que merece uma discussão aprofundada, mas uma discussão serena sobre o modelo adequado de supervisão e nunca misturar com a fragilização de identidades que se querem independentes e que são essenciais para um bom funcionamento da democracia", defendeu.

 

Sobre as transferências para 'offshore', Maria Luís Albuquerque reafirmou que prestará esclarecimentos no parlamento.

 

"Eu já fiz saber que falarei em primeiro lugar sobre essa matéria com os deputados. O parlamento merece-me muito respeito. Os deputados já pediram para me ouvir, sei que o requerimento foi aprovado. E, portanto, eu falarei em primeiro lugar no parlamento antes de falar em qualquer outra sede sobre esse assunto", disse.

 

O parlamento aprovou por unanimidade um pedido do PS para que os antigos ministros das Finanças Vítor Gaspar e Maria Luís Albuquerque (do executivo PSD/CDS-PP) sejam ouvidos com urgência a propósito das transferências para paraísos fiscais.

 

Quer Vítor Gaspar, quer Maria Luís Albuquerque tiveram como secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Paulo Núncio - que está no centro da polémica - na sua equipa ministerial.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Lap dog... 09.03.2017

Claro era o conforto q sentias... obediente,abanava o rabo, e gostava de meter o nariz por ai...pra nao falar nas lambidelas caninas.

Anónimo 09.03.2017

O castigo para esta gaija era obrigá-la a sustentar a família com um único ordenado mínimo... Incompetente de merda... destruiu a vida de amigos e familiares meus enquanto andava a mamar à conta com o governador. Mas Deus é grande. Se não pagares de uma maneira, pagarás de outra!

Desanimado 09.03.2017

ò luisinha foi uma saída limpinha, limpinha não foi? A cumplicidade e o silêncio de carlos costa ajudou bastante não foi?

Anónimo 09.03.2017

Na sabedoria imensa dos provérbios populares, há um que diz " tão ladrão é o que vai à horta como o que fica à porta"

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub