Banca & Finanças Maria Luís tem dificuldade em entender fecho de balcões da CGD

Maria Luís tem dificuldade em entender fecho de balcões da CGD

A ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque considerou ser de esperar "algum serviço público" em troca do "esforço" de 5.000 milhões para recapitalizar a Caixa Geral de Depósitos, tendo dificuldade em entender o fecho de balcões.
Maria Luís tem dificuldade em entender fecho de balcões da CGD
Bruno Simão
Lusa 17 de março de 2017 às 23:51

"Eu tenho alguma dificuldade em compreender algumas questões, nomeadamente o facto da Caixa Geral de Depósitos (CGD) estar a sair (...) dos sítios onde os outros bancos não querem estar. Se se está a pedir aos portugueses um esforço de cinco mil milhões de euros para colocar na CGD, eu acho que seria de esperar, no mínimo, que os portugueses tivessem algum serviço público em troca", afirmou a ex-governante, esta noite, em Barcelos, à margem de uma conferência organizada pelas Mulheres sociais-democratas.

 

A também vice-presidente do PSD considerou ainda que se Portugal "onde os contribuintes colocam dinheiro, será, com certeza, para ter alguma vantagem face aos bancos privados".

 

Por isso, a ex-titular da pasta das Finanças disser ver "com muita preocupação" as noticias que dão conta do fecho de balcões da CGD em vários pontos do país, no âmbito do plano de reestruturação do banco público.

 

Nos próximos anos, no âmbito do plano estratégico negociado com Bruxelas, a CGD prevê dispensar 2.200 pessoas, o que o presidente executivo, Paulo Macedo, disse na passada sexta-feira que se fará, através de "pré-reformas e eventualmente rescisões por mútuo acordo".

 

Em termos de agências, a CGD quer chegar a 2020 com um número entre 470 e 490.

A CGD apresentou na semana passada os resultados de 2016 em que teve prejuízos históricos de 1.859 milhões de euros, mais de dez vezes mais os resultados negativos de 171 milhões de euros de 2015.

 


A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 19.03.2017

Porque não te calas? É um milagre ser e ainda continuar como deputada da AR. Antigamente os políticos eram cultos, inteligentes, competentes e honestos, etc. Agora, quanto mais iletrados, "espertos", incompetentes e desnonestos, mais longe vão. Por isso, este país está quase a chegar à bancarrota

Desanimado 18.03.2017

Ó filha, essa conversa da treta já não cola, tu querias mesmo era privatizar o banco. Ó luizinha o problema é que os portugueses não têm feito outra coisa a não ser andar a meter dinheiro em bancos privados para não verem nem lucros, nem serviço público. Esta gente se estivesse calada não se enterrava tanto!

Anónimo 18.03.2017

ESTÁS PREOCUPADA? MAS N TE PREOCUPASTE C OS MILHÕES Q VOARAM DO PAÍS. Q PREOCUPADA C OS PORTUGUESES. ISTO É SÓ FOGO DE VISTA P ENGANAR C SEMPRE.
AH GRANDE LOIRAÇA!!!!!!!!!SURPREENDES SEMPRE PELA NEGATIVA.

Anónimo 18.03.2017

ESTA LOIRA( MTº INTELIGENTE?) SÓ SOUBE DEIXAR SAIR DINHEIRO DO PAÍS S SE PREOCUPAR C OS PORTUGUESES ESTÁ AGORA PREOCUPADA? GRANDE LATA DESTA LOIRA. INCOMODOU-SE SIM EM ARRANJAR U BOM TACHO P SE GOVERNAR. ESTA FOI A UNICA PREOCUPAÇÃO ENQº MTª. TENHAM VERGONHA Q FOI COISA Q S LHES FALTOU

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub