Automóvel Marine Le Pen inspira-se em Trump e quer regresso da produção automóvel a França

Marine Le Pen inspira-se em Trump e quer regresso da produção automóvel a França

A líder da Frente Nacional defende que os fabricantes automóveis franceses não podem "escapar impunemente" à deslocalização da produção.
Marine Le Pen inspira-se em Trump e quer regresso da produção automóvel a França
Reuters
André Cabrita-Mendes 10 de janeiro de 2017 às 19:01
A candidata às presidenciais francesas que vão ter lugar este ano inspirou-se na recente ofensiva de Donald Trump que tem pressionado publicamente as produtoras automóveis a investirem nos Estados Unidos.

"É muito interessante", disse a líder da Frente Nacional, de extrema-direita, sobre a pressão exercida pelo presidente-eleito norte-americano em entrevista ao canal France 2.

"Ele está a colocar em prática medidas que eu apoio há anos e para as quais tantos a imprensa como a classe política têm me dito que são impossíveis de implementar. Isto é patriotismo económico, um proteccionismo inteligente", afirmou, citada pela Reuters.

"Não me iria chocar, até pelo contrário, explicar às empresas francesas que não podem escapar impunemente aos impostos (...) não podem escapar impunemente à relocalização" da produção, disse.

França conta com duas grandes produtoras automóveis: Renault e PSA Peugeot Citroen, marcas que têm vindo a apostar na abertura de fábricas fora de França e próximas de mercados estratégicos como a Europa de Leste, África do Norte, América do Sul ou na Ásia.

Já nos Estados Unidos, os fabricantes automóveis têm estado debaixo de fogo por parte de Donald Trump. O presidente-eleito criticou recentemente a General Motors por fabricar automóveis no México cujo destino são os Estados Unidos.

Uma das empresas que desistiu de investir no México foi a norte-americana Ford, que esta semana anunciou o cancelamento do investimento de 1,6 mil milhões de dólares numa nova fábrica para investir numa fábrica já existente nos EUA.

A Fiat Chrysler, por seu turno, anunciou esta semana que vai investir mil milhões de dólares em duas fábricas norte-americanas, criando dois mil postos de trabalho.

Já a japonesa Toyota anunciou que vai investir 10 mil milhões de dólares nos Estados Unidos nos próximos cinco anos. O anúncio foi feito dias depois de Donald Trump ter ameaçado a marca com um "grande imposto" caso mantivesse a sua intenção de construir uma nova fábrica no México cujo produção destina-se ao mercado norte-americano.

Os baixos salários em comparação com os norte-americanos, a elevada produtividade e boas infra-estruturas de transportes próxima de mercados relevantes, como os Estados Unidos, Canadá ou América do Sul, tornam o México um local apetecível para os fabricantes de automóveis.

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 12.01.2017

http://www.cnn.com/2017/01/12/politics/far-right-french-politician-le-pen-sighted-at-trump-tower/index.html

pertinaz 12.01.2017

MANIA DAS GRANDEZAS

Anónimo 10.01.2017

Lembrem-se, com isto é mais será a próxima Presidente.

pub
pub
pub
pub