Telecomunicações Mário Vaz: "A Vodafone e os seus clientes não foram afectados" pelo ciberataque

Mário Vaz: "A Vodafone e os seus clientes não foram afectados" pelo ciberataque

O presidente da operadora de telecomunicações disse que após avaliados os riscos, a Vodafone concluiu que não era necessário activar o seu plano de contingência.
Mário Vaz: "A Vodafone e os seus clientes não foram afectados" pelo ciberataque
Pedro Elias/Negócios
André Cabrita-Mendes 15 de maio de 2017 às 18:49
A Vodafone Portugal garante que passou ao lado do ciberataque que afectou dezenas de milhares de computadores em todo o mundo na sexta-feira, 12 de Maio.

"No caso da Vodafone Portugal não fomos afectados, naturalmente tomámos um conjunto de precauções para avaliar potenciais riscos, com os potenciais riscos a serem eliminados", disse ao Negócios o presidente executivo da Vodafone Portugal, Mário Vaz.


"Mas não fomos afectados e acima de tudo os nossos clientes não foram afectados", garantiu o gestor esta segunda-feira, 15 de Maio, à margem do lançamento da iniciativa Movimento pela Utilização Digital Activa (MUDA), que decorreu em Lisboa.
A operadora de telecomunicações tem um plano de contigência preparado, mas após avaliada a situação, considerou que não era necessário activá-lo. "Nesta caso não foi necessário, nós reunimo-nos para avaliar potenciais riscos e felizmente estávamos protegidos", afirmou Mário Vaz.

No dia em que foi conhecido que a economia portuguesa cresceu 2,8% no primeiro trimestre, o mais elevado dos últimos 10 anos, o líder da Vodafone considera que este crescimento é positivo.

"Ver um crescimento acima de 2% é bom. Por um lado nós fomentamos crescimento, por outro lado, tiramos partido desse crescimento. Ficamos satisfeitos com estes números, naturalmente", disse Mário Vaz.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub