Banca & Finanças Marques Mendes: "Poderá haver outras soluções" se Novo Banco não for vendido

Marques Mendes: "Poderá haver outras soluções" se Novo Banco não for vendido

Luís Marques Mendes elogiou a decisão do Banco de Portugal e Governo nas decisões recentes no dossiê do Novo Banco. Vai dizendo que a nacionalização é perigoso, já que levará a custos elevados. Mas diz que caso não seja vendido, pode haver outras soluções sem ser a nacionalização.
Marques Mendes: "Poderá haver outras soluções" se Novo Banco não for vendido
Negócios 08 de janeiro de 2017 às 20:54

Luís Marques Mendes, comentador político, considerou, nos habituais comentários na SIC, considera que o Banco de Portugal e o Governo andaram bem nos últimos episódios de venda do Novo Banco.


O Banco de Portugal por ter seleccionado "uma proposta favorita mas ao mesmo tempo indicar que era preciso continuar e aprofundar as negociações com os dois fundos concorrentes". O Banco de Portugal seleccionou a proposta da Lone Star como favorita, mas a Apollo continua na corrida.


Quanto ao Governo "andou bem" ao "impor uma linha vermelha. Não se pode vender dando garantias de Estado, ou seja, com soluções que tenham impacto negativo nas contas públicas. Ou seja, vender, sim, mas não a qualquer preço".

Marques Mendes ainda se referiu à nacionalização do Novo Banco, que ganhou novos adeptos nos últimos tempos. Mas dizendo não querer ser desmancha-prazeres "recomendaria muita atenção e prudência". Há, no seu entender, o risco "sério" de um novo BPN. "Nacionalização tem sido sinónimo de desperdício".

Por outro lado, nacionalizar obrigará o Estado a injectar dinheiro para capitalizar o banco, com agravamento da dívida e do défice.

Marques Mendes acredita até que "dificilmente Bruxelas concordará com a nacionalização", lembrando que em carta de Julho de 2016 Mário Centeno "comprometeu-se perante Bruxelas a uma de duas coisas: vender o Banco ou liquidá-lo". Mas mesmo que Bruxelas autorize, o comentador alerta para o facto de essa nacionalização só será autorizada "impondo reestruturações operacionais tão duras e tão pesadas que não serão na prática muito diferentes de uma liquidação".

Marques Mendes concluiu com a promessa de voltar ao assunto na próxima semana, até porque se a venda não for possível "sempre poderá haver outras soluções que não a aventura da nacionalização".

 


A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 09.01.2017

Este anao subvencionista e um fala barato,e quem o entrevista no jornal de domingo e um(a)papa moscas:quando e que o jornalista o interroga sobre coisas que diz sem um minimo de fundamento.Na boca dela o d.branca ja tinha mandado para a rua uns tantos ministros e secret.de estado,alguem viu?Eu nao.

Liquidação 08.01.2017

Liquidação... Liquidação... Liquidação.

surpreso 08.01.2017

E o mágico não disse quais?

Compra tu 08.01.2017

Queres vender sem garantias uma coisa que está toda pendurada em processos? Compra tu mais o Cavaco ,o Dias oureiro e o Lima mata velhas

pub
pub
pub
pub