Banca & Finanças Matos Correia pondera demitir-se da presidência do inquérito à CGD

Matos Correia pondera demitir-se da presidência do inquérito à CGD

O deputado social-democrata José Matos Correia anunciou que até esta quinta-feira vai decidir se se mantém na presidência da comissão parlamentar de inquérito. O direito das minorias parlamentares pode não estar a ser salvaguardado, acredita. 
Matos Correia pondera demitir-se da presidência do inquérito à CGD
Bruno Simão
Diogo Cavaleiro 15 de fevereiro de 2017 às 20:05

É mais uma  possível demissão em torno da Caixa Geral de Depósitos: José Matos Correia ameaçou hoje que poderá deixar de ser presidente da comissão parlamentar de inquérito ao banco público.

 

"Irei, entre hoje e amanhã, fazer uma reflexão sobre se tenho condições para continuar na presidência desta comissão parlamentar de inquérito", anunciou Matos Correia esta quarta-feira, 15 de Fevereiro.

 

O deputado social-democrata defende que as minorias parlamentares podem não estar a ser salvaguardadas na iniciativa parlamentar que se iniciou em Julho do ano passado. "As comissões parlamentares de inquérito criadas por uma minoria, seja ela qual for, têm de funcionar em termos de permitir que os direitos da minoria sejam garantidos. Tenho dúvidas de que esteja a acontecer", declarou.

  

Marcada recorrentemente por tensão partidária, a comissão de inquérito à CGD foi criada, potestativamente, por parte da direita, contra a vontade da esquerda.

 

"Entendo que os desenvolvimentos verificados na última semana devem merecer reflexão", afirmou Matos Correia, dizendo que se tem de dignificar o Parlamento e perceber que os inquéritos parlamentares são "um instrumento essencial" para a descoberta da verdade. 

 

Esta afirmação foi feita por Matos Correia no final da reunião que decidiu que a correspondência trocada entre Mário Centeno e António Domingues não será conhecida dos deputados. A direita queria a correspondência, a esquerda rejeitou. 


A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 15.02.2017

Imaginem só. como estaria-mos hoje a viver, neste SÍTIO MUITO MANHOSO, se ainda perdurasse o reinado da defunta União Soviética!!!

comentários mais recentes
PSD assim não vai lá,não purgou os eucaliptos. 16.02.2017

Tanta trapalhada contra o povo,o povo quer ver trabalho para o País,não o quer destruído com truques,como querem fazer há CGD que é o Banco que os Portugueses ainda tem confiança,os privados é o que se vê não há confiança,como votante do PSD com meu voto não mamam mais,nota-se que geringonça trabalh

Bolcheviques 16.02.2017

Esta "coligação" de forças assume efectivamente contornos pouco normais, e nada naturais para uma democracia. Temos uma esquerda que aos poucos, ou assume a sua veia bolchevique, ou deixa transparecer a sua verdadeira ideologia. Se se tratassem de episódios isolados, não passariam disso mesmo. Mas infelizmente esta geringonça, ou caldeirada, de ideologias já faz escola em acções pouco transparentes.
- Tomada do poder, mesmo com a perda de eleições.
- Eleição da figura sinistra de Ferro Rodrigues para PR da assembleia da Republica. Basta ver a sua completa e total falta de isenção.
- Caso Diogo Lacerda no negócio TAP.
- Caso Rocha Andrade no caso Galp/Euro.
- Caso na comissão de inquérito à CGD. Onde figuras chaves deveriam ser ouvidas, mas foram bloqueadas pela "geringonça. Isto porque todos sabem o que daí resultaria, as figuras que daí iriam emergir.
- Caso Centeno / CGD. Ministro que mente deliberadamente e reiteradamente. Um PM que óbviamente estava a par de tudo.

fred 16.02.2017

por que sera que o rei da democracia, dr. soares deixou patrimonio milionario para os seus descendents, ele que so trabalhou na politiquice, e aquele tinha poder supremo, salazar, morreu teso?

Um conselho a Centeno 16.02.2017

Que este episódio te sirva de lição, pois agora já viste onde estás metido. Estás no meio de um bando de hienas e cascavéis que se estão a marimbar para a competência, para o país e para os portugueses e que apenas buscam a carniça a politiquice e o quanto pior melhor. Cuida-te!

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub