Energia Menos chuva leva a queda de 15% da produção da EDP em Portugal e Espanha

Menos chuva leva a queda de 15% da produção da EDP em Portugal e Espanha

No início de 2016, a produção hídrica representava mais de metade da produção eléctrica. Um ano depois, fica atrás do carvão e nem chega a corresponder a um terço da electricidade total produzida.
Menos chuva leva a queda de 15% da produção da EDP em Portugal e Espanha
Diogo Cavaleiro 20 de abril de 2017 às 20:53

A (falta de) chuva prejudicou os primeiros três meses do ano para a EDP. Esta é a principal justificação para a queda de 15% da produção de electricidade por parte da EDP em Portugal e em Espanha.

 

No mercado ibérico, "a produção total diminuiu 15% no primeiro trimestre de 2017 face ao primeiro trimestre de 2016, reflexo da diminuição dos recursos hídricos". Segundo os dados previsionais enviados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a produção total foi de 9.079 gigawatts/hora quando, um ano antes, se situava acima de 10.632 gigawatts/hora.

 

Observando a origem, a produção hídrica da empresa comandada por António Mexia (na foto) cedeu 56%. Se entre Janeiro e Março de 2016, esta era a área mais relevante para a eléctrica, representando mais de metade da produção, um ano depois fica atrás do carvão e nem chega a corresponder a um terço da electricidade total produzida.

 

Para justificar este ponto, a companhia - que vai aumentar o dividendo pago aos accionistas pela primeira vez desde 2012 - explica que os volumes hídricos ficaram, em Portugal, 36% abaixo da média nos primeiros três meses de 2017. No período homólogo, tais volumes estavam 45% acima da média.


A evolução negativa da produção hídrica ocorre apesar de a capacidade instalada ter subido. Contudo, o factor de utilização da capacidade foi de 20%, abaixo dos 47% verificados um ano antes.

 

Ainda na produção eléctrica, a maior subida foi registada no ramo de central de ciclo combinado a gás natural (CCGT), com uma mais que triplicação dos valores alcançados um ano antes. O carvão também melhorou (30%), tal como o nuclear, ainda que este último muito ligeiramente (0,1%). O ramo de mini-hídricas, cogeração e resíduos, menos representativo, perdeu 50% da produção.

 

Como a produção eólica aumentou 2%, conforme anunciou a EDP Renováveis, a produção total incluindo todos os mercados resvalou 9% em termos homólogos.

 

Com a queda da chuva a ofuscar as novas centrais que funcionam com a força dos ventos, as energias verdes perderam peso nos primeiros três meses: "a produção hídrica e eólica representou 63% da produção total no primeiro trimestre face a 76% no primeiro trimestre de 2016".

 

Comercialização recua mas clientes aumentam

 

No que diz respeito à comercialização de energia no mercado ibérico, os volumes recuaram 5% na electricidade e 19% no gás, ainda que o número de clientes finais tenha aumentado nos dois campos. A diminuição é explicada, pela eléctrica liderada por Mexia (cujo ordenado poderá ascender a 2,6 milhões este ano), pela "queda de 15% dos volumes em Espanha, especialmente no sector industrial".

 

Já observando a electricidade distribuída na Península Ibérica, o aumento foi de 0,2%, abaixo do avanço de 14,2% na distribuição de gás.

 

Estes dados constam dos números previsionais divulgados pela EDP, que antecipam os resultados que serão apresentados a 3 de Maio. 

Em bolsa, a eléctrica recuou 1,23% para 3,047 euros, um dia depois da assembleia-geral de accionistas, onde António Mexia defendeu a bondade da sua oferta pública de aquisição pelo capital que não controla na EDP Renováveis. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 21.04.2017

MEXIA UM DOS MAIORES GATUNOS DE PORTUGAL, COM SALÁRIOS MILIONÁRIOS, PAGOS COM AS TAXAS E TAXINHAS DA ELETRICIDADE. HÁ QUE HAVER LIMITES A ESTES SALÁRIOS OU ENTÃO IMPOSTOS DE 70% SOBRE ESTES SALÁRIOS. ELETRICIDADE É UM SERVIÇO PUBLICO HÁ QUE HAVER LIMITES.

suiriri 21.04.2017

Quer chova ou faça sol os gestores da EDP totalmente privatizada continuam em alta. A queda é só para os consumidores de electricidade que andam cada vez mais às escuras....enquanto o País vê grande parte dos dividendos das acções irem parar ao estrangeiro........

genio10 20.04.2017

Não estás pronto para aumentar a energia pois não seu cão badio...

pub