Imobiliário Mercado imobiliário em Portugal a caminho de novo recorde

Mercado imobiliário em Portugal a caminho de novo recorde

Portugal está a caminho de outro ano recorde de investimento no imobiliário, comparável aos dois mil milhões de euros registados em 2015, disseram hoje em Londres vários especialistas à agência Lusa.
Mercado imobiliário em Portugal a caminho de novo recorde
Lusa 20 de junho de 2017 às 15:33

O mercado do investimento imobiliário português encerrou 2015 com um recorde histórico de volume de negócios, superior a dois mil milhões de euros, mas em 2016 ficou-se pelos 1,4 mil milhões.

 

Pedro Seabra, sócio da consultora Explorer Investments, Francisco Horta e Costa, director da consultora CBRE, José António de Mello, presidente do Conselho de Administração da gestora Selecta, e José Araújo, director coordenador do Millennium bcp, concordam nesta previsão.

 

Horta e Costa lembra que este volume é cerca do dobro do que se transaccionava antes de 2007, e salientou que o mercado tem sido sustentado pela venda de edifícios que já existiam, e que estavam na posse dos bancos.

 

"O mercado vai continuar a ser pautado pela venda de portfolios de instituições financeiras e seguradoras nas áreas suburbanas, que ficaram devolutos durante a crise", acrescentou Seabra.

 

José Araújo, do Millennium, acredita que este crescimento é sustentável, pois os bancos portugueses estão em melhor situação para financiar mais negócios.

 

"A reentrada dos bancos no mercado pode ser a pedra de toque. Até agora, muitos investidores tinham de procurar financiamento externo quando os valores eram maiores", afirmou.

 

Estes profissionais encontram-se hoje na capital britânica a participar na primeira Cimeira de Imobiliário Ibérica, organizado pela publicação Iberian Property, com o apoio de várias associações e organismos do sector.

 

Simon Mollison, director para a Europa da consultora Real Capital Analytics, desvalorizou o retrocesso de 16% registado no primeiro trimestre de 2017 face ao período homólogo de 2016, atribuindo a variação à dimensão do mercado português.

 

"Grandes negócios nos próximos meses podem inverter esta tendência", garantiu.

 

Portugal, em 16º. lugar, continua a estar muito atrás do 4º. lugar de Espanha em termos de transacções no sector imobiliário, por isso tem interesse em fazer acções de promoção conjuntas.

 

"É a primeira vez que os dois países se vendem juntos e penso que é a melhor forma", comentou João Valente, advogado da sociedade Uría Menéndez Proença de Carvalho.

 

Na sua opinião, "Portugal pode aproveitar a projecção da Espanha, afirmando ao mesmo tempo as suas especificidades e individualidade económica e cultural".

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub