Automóvel Mercedes-Benz bate recorde pelo terceiro ano em Portugal

Mercedes-Benz bate recorde pelo terceiro ano em Portugal

Foram mais de 15 mil carros vendidos pela marca “premium”, que aumenta assim a diferença face à rival BMW. Só a Alemanha ultrapassa Portugal na quota de mercado.
Mercedes-Benz bate recorde pelo terceiro ano em Portugal
Wilson Ledo 06 de Janeiro de 2017 às 15:40

A Mercedes-Benz registou em 2016, pelo seu terceiro ano consecutivo, um novo recorde de vendas em Portugal.

A marca "premium" detida pela alemã Daimler vendeu 15.308 carros em 2016, subindo 14,3% face ao ano anterior. É a quarta insígnia automóvel mais vendida no país e a primeira no segmento.


"São mais de mil unidades face ao nosso principal concorrente", a BMW, posicionou o director geral de vendas e marketing da marca, Nuno Mendonça, em conferência de imprensa esta sexta-feira, 6 de Janeiro.


Num ano em que foi ultrapassada a fasquia dos 200 mil carros vendidos em Portugal, e apesar do abrandamento no ritmo de vendas, a Mercedes-Benz orgulha-se dos resultados. "Fizemos em três anos seguidos o melhor de sempre em Portugal", acrescentou Mendonça. Lisboa garantiu 40% das vendas da marca "premium" e o Porto outros 30%.

Do total transaccionado, apenas 2% corresponderam a veículos "amigos do ambiente", com os híbridos "plug-in" a "beneficiar dos incentivos fiscais", explicou.


Portugal mantém-se assim como a segunda maior quota de mercado na Europa – 7,4% -, sendo apenas ultrapassada pela Alemanha, como já se verificava em 2014.


Para 2017 fica prometida uma ofensiva no mercado, procurando um reforço de posição, com os novos Classe E.


A Mercedes-Benz Portugal, que integra também a Smart, viu também em 2016 uma subida nos seus serviços de pós-venda. Foram assistidos 117 mil carros, o que representa 38% dos automóveis da marca a circular no país.


Já sob a liderança do alemão Niels Kowollik em território nacional, a Mercedes-Benz viu abrir em Julho um novo centro de competências para prestar apoio via telefónica a concessionários europeus. A aposta criou 30 postos de trabalho e arrancou dirigida ao mercado italiano. Portugal, França e Espanha juntam-se em breve.


Aos jornalistas, Kowollik reconheceu que Portugal não seria a localização mais "fácil" para instalar este centro mas admitiu que "não havia razões para não aproveitar a mão-de-obra" existente no país.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tugas estrelados Há 1 semana

Duas maneiras de comprar Mercedes novo em Portugal: xular inocentes ou passar fome. Vaidosos.

Anónimo Há 1 semana

Tuga é burro pra caraças. Qualquer dia a bandeira Portuguesa tem um jumento ao invés de uma esfera armilar. Mas cabe na cabeça de alguém q num país de pés rapados tenha a segunda maior cota a seguir a Alemanha? Há gente muito burra e manienta neste país.

Mr.Tuga Há 1 semana

Um sitio POBRETANAS e de parolos com a mania de ricos.... E os xuxas DESPESISTAS a dar o aval ao consumismo...

pub
pub
pub
pub