Automóvel Metade dos fornecedores da Autoeuropa afectados pela greve

Metade dos fornecedores da Autoeuropa afectados pela greve

Entre seis a sete empresas fornecedoras da Autoeuropa foram afectadas pela paragem de 24 horas na fábrica da Volkswagen.
Metade dos fornecedores da Autoeuropa afectados pela greve
Bruno Simão/Negócios
André Cabrita-Mendes 30 de agosto de 2017 às 18:32

Metade das empresas fornecedoras da Autoeuropa foram afectadas pela greve de 24 horas que teve lugar esta quarta-feira, 30 de Agosto.

"Estão fábricas paradas devido à greve da Autoeuropa. Umas seis a sete fábricas foram atingidas pela greve, umas parcialmente, outras totalmente", diz ao Negócios Daniel Bernardino, coordenador da comissão de trabalhadores do parque industrial de Palmela, que fica localizado ao lado da fábrica da Volkswagen.

Neste parque industrial, que conta actualmente com 1.600 trabalhadores, existe um total de 13 empresas fornecedoras da Autoeuropa, sendo que em muitos casos a fábrica da Volskwagen é a única cliente de várias fábricas. 

O responsável explica que a maioria destas fábricas utilizam um processo de produção industrial conhecido por "just in time", isto é, os componentes são enviados diariamente para a Autoeuropa, não sendo armazenados.

"Esta paragem afecta-nos, porque como trabalhamos "just in time" é tudo escoado em poucas horas. Não temos espaço para armazenar a produção de um dia inteiro nas nossas empresas. O processo "just in time" obriga a que tenhamos stocks muito reduzidos", explica Daniel Bernardino.

Sobre o arrastar do conflito laboral na Autoeuropa, Daniel Bernardino apela ao diálogo entre as partes. "A nossa posição mantém–se a mesma, esperamos que seja encontrada o diálogo".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub