Transportes Metro do Porto: Mota-Engil contesta concurso, mas júri confirma vitória da Barraqueiro

Metro do Porto: Mota-Engil contesta concurso, mas júri confirma vitória da Barraqueiro

A Mota-Engil pediu a exclusão da proposta da Barraqueiro no concurso para a subconcessão do metro do Porto, mas o relatório final do júri mantém a decisão e já foi entregue ao Governo.
Metro do Porto: Mota-Engil contesta concurso, mas júri confirma vitória da Barraqueiro
Paulo Duarte/Negócios
Maria João Babo 03 de novembro de 2017 às 17:59

O relatório final do júri do concurso para a subconcessão do Metro do Porto entre 2018 e 2025, que dá a vitória ao grupo Barraqueiro, já foi entregue aos Ministérios das Finanças e do Ambiente, que têm agora de o aprovar para que o conselho de administração da empresa proceda à adjudicação.

Fonte oficial da Metro do Porto confirmou ao Negócios que "o presidente do conselho de administração já recebeu o relatório final do júri e já o enviou para as tutelas para aprovação", escusando-a outros comentários.

O Negócios sabe, no entanto, que na fase de audiência prévia foi recebida uma única reclamação, apresentada pelo agrupamento da Mota-Engil, que ficou em segundo lugar.

A contestação assentou num formalismo para pedir a exclusão da Barraqueiro do concurso.

No entanto, no relatório final do júri, que integra essa informação assim como a sua análise, não é dada razão ao agrupamento que ficou em segundo lugar, com uma proposta que era superior à da Barraqueiro em menos de 300 mil euros.

A Barraqueiro ganhou o concurso para a subconcessão da operação e manutenção do Metro do Porto no período de 2018 a 2025 ao apresentar a proposta com o valor mais baixo, sendo que este era o único critério de selecção dos concorrentes.

O preço da sua proposta foi de 204,3 milhões de euros, um valor 7,5% abaixo ao preço de referência fixado para o concurso, que era de 221 milhões de euros.

O agrupamento da Mota-Engil concorreu a esta subconcessão com um preço de 204,6 milhões de euros, seguindo-se a Corporacion Española de Transportes, que ofereceu cerca de 206,4 milhões.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Realmente a M.E tem subido bastante, mas ontem e hoje já derrapou um pouco.
Esperemos que retome as subidas, pois quando cai também dá cada trambolhão.

MOTA ENGIL , não é este o seu negocio Há 2 semanas

A Mota Engil está-se borrifando, isto não é o seu negócio, é a construção, além disso só em 3 dia a Mota Engil subiu 8%, e já se sabia que tinha perdido esse concurso, em nada afetou a cotação , pelo contrário,

Anónimo Há 2 semanas

Pois é, nem sempre se ganha!
Próxima Segunda, sobe ou desce? A Mota parece ter começado a derrapar, deve ter sido da chuva!

Anónimo Há 2 semanas

ME só tem negócios em países africanos não é?

ver mais comentários
pub