Transportes Metro do Porto transportou 60,6 milhões de pessoas em ano recorde

Metro do Porto transportou 60,6 milhões de pessoas em ano recorde

O Metro do Porto transportou no ano passado mais 2,6 milhões de passageiros do que em 2016, com um total de 60,6 milhões de validações, sendo "o melhor registo de procura de sempre", foi hoje anunciado.
Metro do Porto transportou 60,6 milhões de pessoas em ano recorde
Paulo Duarte/Negócios
Lusa 04 de janeiro de 2018 às 07:48

Em declarações à agência Lusa, o presidente do Conselho de Administração da Metro do Porto, Jorge Delgado, disse que "o recorde absoluto de procura alcançado em 2017 reforça a linha de crescimento que o Metro apresenta praticamente desde o primeiro ano de operação".

 

"É um resultado notável, mas que apenas faz aumentar a nossa responsabilidade e a nossa exigência no sentido de continuar a prestar um serviço de muita qualidade à população. Por outro lado, estes números - a somar aos estudos técnicos muito profundos e às decisões tomadas pelo Governo e, em concreto, pelo Ministério do Ambiente quanto à expansão da rede - são mais um dado que contribui para as expectativas que todos temos quanto à justificação e à viabilidade económica das novas linhas", acrescentou.

 

De acordo com os dados de 2017, ainda preliminares, o metro totalizou 60,6 milhões de validações, o que corresponde a um crescimento de 4,5% face aos 58 milhões de 2016.

 

Os números demonstram que "todas as linhas da rede deram um contributo positivo para o crescimento, com destaque, em termos absolutos, para o tronco comum Senhora da Hora--Estádio do Dragão", responsável por quase 50% do aumento das validações, com um acréscimo de cerca de 1,3 milhões de clientes e uma subida de 4,1%, referiu fonte da empresa.

 

Mas também a Linha Amarela, que liga o Hospital de São João a Santo Ovídio (Vila Nova de Gaia) se destaca, uma vez que "representa um terço dessa subida, com mais de 800 mil novos clientes, equivalente a 4,9% de crescimento".

 

Jorge Delgado acrescentou que analisa os números alcançados em 2017 num quadro de "aumento da actividade económica e do emprego na Área Metropolitana do Porto, o que gera maiores necessidades de mobilidade aos cidadãos, e também de crescimento do turismo".

 

O responsável destacou ainda "a elevada qualidade do serviço e a fiabilidade, que são os principais factores que fazem do Metro uma referência de confiança".

 

Em termos percentuais, a Linha Violeta (E), que serve o aeroporto do Porto, foi a que mais cresceu (11%), o que leva a Metro do Porto a estimar que, em 2017, mais de 1,9 milhões de pessoas tenham utilizado o metro em deslocações de e para o aeroporto.

 

A Linha Azul (A) registou um crescimento de 5,8%, a Vermelha (B) de 2,8%, a Verde (C) de 2,9% e a Laranja (F) de 4,6%.

 

"O crescimento foi razoavelmente estável durante todo o ano e verificou-se em praticamente todos os meses. Todos os trimestres tiveram comportamento positivo face ao período homólogo", concluiu.

 

Oficialmente inaugurado a 7 de Dezembro de 2002, o Metro do Porto abriu portas aos passageiros no dia 1 de Janeiro do ano seguinte, com o início da operação da Linha Azul, entre a Trindade (Porto) e a Senhora da Hora (Matosinhos).

 

Actualmente o Metro conta com seis linhas e 82 estações, numa extensão total de 67 quilómetros.

 

Está já prevista a extensão da rede, com uma ligação entre São Bento e a Casa da Música (Linha Rosa) e com o prolongamento da Linha Amarela até Vila D'Este (Vila Nova de Gaia), num investimento de cerca de 4,7 milhões de euros.

 

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub