Transportes Metro garante que falta de cartões vai estar resolvida até final do ano e Web Summit sem problemas

Metro garante que falta de cartões vai estar resolvida até final do ano e Web Summit sem problemas

O presidente da empresa garante que todas as máquinas vão ter cartões Lisboa Viva em dois meses, garantindo que o metropolitano está preparado para receber os 50 mil visitantes da conferência tecnológica em Novembro.
Metro garante que falta de cartões vai estar resolvida até final do ano e Web Summit sem problemas
Pedro Elias
André Cabrita-Mendes 18 de Outubro de 2016 às 17:53

A falta de cartões Lisboa Viva nas máquinas do metro deverá estar normalizada até ao final deste ano. A garantia foi dada pelo presidente da Transportes de Lisboa, empresa que gere o Metropolitano de Lisboa.

 

"Supostamente fica tudo pronto em Dezembro", disse Tiago Farias esta terça-feira, 18 de Outubro, a margem da conferência da Associação Portuguesa de Empresas Portuguesas (APETRO). Em Setembro, quando teve lugar a ruptura, o gestor tinha apontado que a situação iria estar resolvida no mês de Outubro. Para lidar com a falta de bilhetes nas máquinas, o Metro colocou um plano de contingência em marcha com a abertura de pontos de venda com funcionários da empresa nas estações.

 

"O que pretendemos é garantir que no final do ano não só esteja tudo normalizado como haja maior flexibilidade para usar outro tipo de cartões", disse, em referência aos portões de acesso ao metro, que já aceitam mais de um sistema de cartões, facilitando assim a compra de cartões a fornecedores por parte da empresa que gere o sistema, a OTLIS - Operadores de Transportes da Região de Lisboa.

 

Sobre a falta de cartões Lisboa Viva em 100 das 280 máquinas de venda de bilhetes do metropolitano, o gestor garantiu que "não houve ruptura. Foi uma opção de gestão dos cartões até percebermos como respondia o fornecedor, que já começou a dar cartões e estamos dentro do nosso plano de normalização. Estamos a gerir os cartões para garantir que em dias como hoje no estádio do Sporting haja bilhetes nas máquinas todas". 

 

Por mês, o Metro vende meio milhão de cartões Lisboa Viva. O gestor destacou que 10% dos utilizadores do Metro foram afectados, pois 70% usam passe mensal e os outros 20% já têm cartão Lisboa Viva.

 

Questionado sobre se o metropolitano tem capacidade para dar resposta a um grande evento como a Web Summit que vai trazer 50 mil pessoas a Lisboa em Novembro, Tiago Farias não tem dúvidas. "Não tem havido falhas nem haverá nos grandes eventos como o Web Summit".




A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Eu como cliente do metro que pago o passe mensal só digo o seguinte. O Metro está uma mherda!!! Tenho saudades dos tempos do governo anterior em que o Metro funcionava bem, havia composições suficiente a funcionar, não viajavamos como sardinhas em lata, não havia constragimentos constantes nas linhas, etc. Mas eu percebo o que se esta a passar, para canalizarem dinheiro para os funcionarios e reformados falta para o normal funcionamento do serviço, o dinheiro não estica. Pode-se alargar isto ao resto do universo do Estado. Para o serviço "publico" os clientes são simplesmente uma chatice e um incomodo que só servem para pagar.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Eu como cliente do metro que pago o passe mensal só digo o seguinte. O Metro está uma mherda!!! Tenho saudades dos tempos do governo anterior em que o Metro funcionava bem, havia composições suficiente a funcionar, não viajavamos como sardinhas em lata, não havia constragimentos constantes nas linhas, etc. Mas eu percebo o que se esta a passar, para canalizarem dinheiro para os funcionarios e reformados falta para o normal funcionamento do serviço, o dinheiro não estica. Pode-se alargar isto ao resto do universo do Estado. Para o serviço "publico" os clientes são simplesmente uma chatice e um incomodo que só servem para pagar.

Francisco Boavida Há 2 semanas

E que tal o óbvio: demitir a administração do Metro ?

Maria Mascarenhas Há 2 semanas

Até ao fim do ano? Que grande azar! Mas ao menos são rápidos...

Paulo Gonçalves Há 2 semanas

Até final do ano? Já devia estar resolvido ontem!...

ver mais comentários
pub