Energia Mexia e a OPA à EDP Renováveis. "Vamos ficar muito confortáveis com qualquer resultado"

Mexia e a OPA à EDP Renováveis. "Vamos ficar muito confortáveis com qualquer resultado"

O presidente da eléctrica sublinhou que avançar para a fusão entre a EDP e a EDP Renováveis é apenas uma hipótese.
Mexia e a OPA à EDP Renováveis. "Vamos ficar muito confortáveis com qualquer resultado"
Miguel Baltazar/Negócios
André Cabrita-Mendes 28 de julho de 2017 às 14:23
A EDP diz que não tem expectativas formadas sobre o desfecho da oferta pública de aquisição (OPA) lançada sobre os 22,5% da EDP Renováveis que estão nas mãos de accionistas minoritários.

"Vamos ficar muito confortáveis com qualquer resultado, esta era uma oferta sem condições", disse o presidente executivo da EDP esta sexta-feira, 28 de Julho, numa chamada com analistas.

"Não excluímos qualquer alternativa em termos de decisões, queremos que seja muito transparente a existência de alternativas se ficarmos abaixo dos 90%", começou por explicar António Mexia.

"Mas quero ser muito claro: ninguém deve esperar nada em relação a estas alternativas, como a fusão transfronteiriça, no curto e médio prazo. Não estudámos isto, mas por razões de transparência incluímos isto [no prospecto], mas não decidimos", afirmou o gestor. E sublinhou que as "pessoas não devem esperar uma reacção nossa, se não atingirmos os 90%".

O período de oferta termina às 15 horas de 3 de Agosto, com os resultados a serem divulgados a 4 de Agosto, e a liquidação da oferta a ter lugar a 8 de Agosto. António Mexia destacou que a "oferta é voluntária" e que não está sujeita ao atingir de qualquer meta.

Para avançar para uma OPA potestativa a EDP tem que atingir os 90% de capital social da empresa e 90% do total das acções em oferta.

Caso não consiga reunir estas duas condições, e pretenda retirar a Renováveis de bolsa, poderá avançar para a ordem irrevogável de compra, com uma ordem permanente de compra, a 6,75 euros, no prazo máximo de três a seis meses. 

As condições da OPA têm sido bastante criticadas por alguns accionistas minoritários. Com 4% do capital da EDP Renováveis, a norte-americana MFS Investment veio recentemente a público garantir que não vai vender as suas acções pelo preço de 6,75 euros.

Também a gestora de activos briânica Ecofin criticou os 6,75 euros oferecidos pela EDP na OPA à Renováveis considerando que são baixos e rejeita vender. Os britânicos criticam que a EDP queira forçar uma fusão sem ter em conta os minoritários e também deixa críticas aos reguladores ibéricos.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 28.07.2017

Este ARGUIDO do MEXIA merece uma acção pelo valor que destruiu na EDP. A divida não para de aumentar. Só patrocinios, viagens pagas a jornalistas e negociatas. Catroga, tem cuidado.

pub
pub
pub
pub