Desporto Michael Jordan vence batalha judicial contra empresa chinesa

Michael Jordan vence batalha judicial contra empresa chinesa

A antiga estrelas dos Chicago Bulls ganhou um processo legal na China contra uma marca desportiva chinesa que utilizava o nome de Jordan, escrito em mandarim, nos seus produtos.
Michael Jordan vence batalha judicial contra empresa chinesa
Reuters
Negócios com Lusa 08 de dezembro de 2016 às 10:12
O Supremo Tribunal Chinês deu esta quinta-feira, 8 de Dezembro, razão a Michael Jordan no processo que o ex-basquetebolista norte-americano moveu contra uma marca desportiva chinesa por uso indevido do seu nome, encerrando um caso que se arrastava há cinco anos.

A mais alta instância jurídica da China anulou as decisões anteriores dos tribunais e concluiu que a Qiaodan Sports tinha violado os direitos de imagem da antiga estrela dos Chicago Bulls, proibindo a empresa de voltar a utilizar o nome de Michael Jordan nos seus produtos.

Em 2012, Michael Jordan, considerado o melhor basquetebolista de sempre, apresentou a primeira queixa contra a Qiaodan, acusando a empresa de usar indevidamente o seu nome, em mandarim, e o mítico número 23 utilizado quando era jogador dos Chicago Bulls (exceptuando um curto período de meio ano em que utilizou o 45) e, mais tarde, dos Washington Wizards.

No ano passado, um tribunal indeferiu a queixa de Jordan, tal como o Alto Tribunal Popular Municipal de Pequim, levando Michael Jordan a recorrer para o supremo. A empresa chinesa fica agora proibida de utilizar o nome de Jordan nos seus produtos. 

Num comunicado citado pela BBC, o actual proprietário dos Charlotte Hornets disse estar "feliz" por o Supremo chinês ter "reconhecido o direito a proteger o meu nome", acrescentando que "os consumidores chineses têm o direito de saber que a Qiaodan Sports e os seus produtos não têm qualquer ligação comigo". 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub