Empresas Michael Page desce e cresce da rotunda à avenida da Boavista

Michael Page desce e cresce da rotunda à avenida da Boavista

A consultora britânica de recursos humanos investiu na transferência do escritório do Porto para o emblemático edifício Burgo, confiando que o crescimento do negócio na região Norte "não é um ciclo fechado".
Michael Page desce e cresce da rotunda à avenida da Boavista
António Larguesa 30 de outubro de 2017 às 14:59

Apostar no Norte do país e acompanhar o crescimento da marca e do investimento financeiro e em recursos humanos no mercado português. São estas as principais razões apontadas para a mudança de instalações da Michael Page no Porto, concretizada esta segunda-feira, 30 de Outubro, pela empresa especializada no recrutamento de quadros técnicos e superiores.

A transferência do histórico Brasília, na rotunda da Boavista, para um espaço mais amplo no sétimo piso do moderno edifício Burgo – um projecto da autoria do arquitecto Souto Moura localizado na artéria com o mesmo nome, considerada a principal avenida de negócios da cidade –, marca assim uma nova fase da operação nortenha, que no ano passado registou um aumento de 182% no número de colocações.

 

"Face ao elevado crescimento verificado nos últimos anos e à consequente necessidade de reforçar a nossa equipa, esta mudança tornou-se prioritária. (…) Ao mesmo tempo, teremos um espaço novo, que proporcionará uma maior conforto para os colaboradores, bem como para os clientes e candidatos, que diariamente visitam os nossos escritórios e depositam em nós a sua confiança", refere o responsável pela consultora no Porto, Carlos Andrade, citado numa nota de imprensa.

 

Face ao elevado crescimento verificado nos últimos anos e à consequente necessidade de reforçar a nossa equipa, esta mudança tornou-se prioritária. Carlos Andrade, responsável da Michael Page Porto
 

Os centros de serviços partilhados de marcas estrangeiras, os negócios de tecnologias de informação e as empresas exportadoras da área industrial são os que clientes que mais se destacam na carteira desta multinacional na região Norte. Enquanto para os primeiros dois estão a contratar sobretudo programadores, engenheiros e perfis financeiros, nas indústrias a maior procura está na área de vendas no mercado externo, engenharia de processos, "lean management" e manutenção de máquinas.

 

Em termos sectoriais, destacou Carlos Andrade durante um encontro com a imprensa, em Abril deste ano, os departamentos do grande consumo e do retalho prosseguem "em recuperação". Por outro lado, o turismo e a reabilitação urbana foram apontados como as áreas de maior crescimento no futuro, em particular no Grande Porto, para esta consultora de origem britânica que está presente no mercado português desde 2000.

 

Na hora de protagonizar a mudança para os novos escritórios na Invicta, o gestor executivo da MP mostrou-se "certo de que o crescimento a que a região Norte tem assistido não é um ciclo fechado". E salientou a crença no "potencial" de zona, fazendo com que a consultora de recursos humanos, que acumula na sua base de dados perto de 250 mil trabalhadores referentes ao mercado português, "também [continue] a investir na região".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub