Tecnologias Microsoft diz que ataque informático foi sinal de alarme e responsabiliza governos

Microsoft diz que ataque informático foi sinal de alarme e responsabiliza governos

A tecnológica fundada por Bill Gates coloca do lado das entidades oficiais o ónus de não manterem os seus sistemas actualizados e protegidos, alertando para o efeito que a sua vulnerabilidade pode ter para os cidadãos.
Microsoft diz que ataque informático foi sinal de alarme e responsabiliza governos
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 14 de maio de 2017 às 22:58

A tecnológica norte-americana Microsoft considera que a responsabilidade pela vulnerabilidade dos sistemas atacados mundialmente na sexta-feira por software malicioso cabe aos Governos e que o incidente que atingiu mais de 150 países é um "sinal de alarme".


"Os governos do mundo devem tratar este ataque como um sinal de alerta. (…) Precisamos que os governos ponderem o perigo que advém para os civis de acumular estas vulnerabilidades e o uso destes comandos que tiram partido de falhas," escreveu o presidente da Microsoft, Brad Smith, num blogue da empresa.


A empresa disponibilizou em Março os "patches" – ou pacotes de software que reparam as vulnerabilidades a que este software recorre para funcionar -, mas muitos dos clientes não actualizaram os seus sistemas, o que os fragilizou e permitiu a acção dos programas maliciosos.


O efeito do "ransomware" WannaCry – um software que encripta ficheiros e pede resgate aos utilizadores para os desbloquear – será imprevisível esta segunda-feira, com o regresso de muitos colaboradores aos seus postos de trabalho, até porque pode haver já novas versões em circulação. 


"[O impacto] será grande, mas é cedo para dizer quanto custará porque ainda não conhecemos a magnitude dos ataques," disse, citado pela Reuters, o antigo especialista federal de segurança nos EUA, Mark Weatherford.


De acordo com a Europol, o ciberataque de sexta-feira bloqueou mais de 200 mil computadores em locais tão distintos como fábricas de automóveis, hospitais, clínicas, operadores de transporte ferroviário, escolas, universidades, empresas de transporte ou operadoras de telecomunicações.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub