Empresas Mineiros de Neves-Corvo ameaçam com nova greve

Mineiros de Neves-Corvo ameaçam com nova greve

Os trabalhadores da concessionária da mina alentejana de Neves-Corvo decidiram fazer nova greve caso não recebam até dia 29 deste mês proposta da nova administração para resolver o conflito laboral na empresa.
Mineiros de Neves-Corvo ameaçam com nova greve
Pedro Elias
Lusa 13 de janeiro de 2018 às 12:57

Os mineiros de Neves-Corvo decidiram avançar com nova greve caso não recebam até dia 29 proposta da nova administração para resolver o conflito laboral nestas minas alentejanas, disse este sábado, 13 de Dezembro, fonte sindical.

 

A decisão foi tomada num plenário geral de trabalhadores da Somincor, a concessionária da mina de Neves-Corvo, no concelho de Castro Verde, distrito de Beja, que incluiu quatro reuniões na empresa, entre quinta-feira e a madrugada de hoje, disse à agência Lusa o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira (STIM) Jacinto Anacleto.

 

O plenário realizou-se após a reunião que decorreu na quarta-feira entre o STIM e o novo administrador-delegado da Somincor, Kenneth Norris, que, segundo o sindicalista, disse que, "até dia 16 de Fevereiro, vai apresentar uma proposta [ao sindicato] para resolver o conflito" laboral com os trabalhadores.

 

No plenário, os trabalhadores decidiram "dar o benefício da dúvida" ao novo administrador-delegado e esperar pela proposta até dia 29 deste mês e não até dia 16 de Fevereiro, explicou Jacinto Anacleto.

 

Os trabalhadores decidiram também "avançar para uma nova greve com datas ainda a definir" se o novo administrador-delegado não apresentar a proposta até dia 29 deste mês, acrescentou.

 

O sindicalista explicou que se até dia 29 deste mês Kenneth Norris apresentar a proposta haverá um novo plenário para os trabalhadores a avaliarem e decidirem se a aceitam ou rejeitam e o que irão fazer a seguir.

 

Caso contrário, se Kenneth Norris não apresentar a proposta até dia 29 deste mês, não haverá novo plenário, porque "o STIM já está mandatado pelos trabalhadores para avançar com um pré-aviso de nova greve".

 

O conflito laboral entre a Somincor e os trabalhadores já provocou três greves na empresa, que decorreram entre os passados meses de Outubro e Dezembro e levaram a paragens na extracção e na produção de minério na mina de Neves-Corvo.

 

Os trabalhadores reivindicam o fim do regime de laboração contínua no fundo da mina, a "humanização" dos horários de trabalho, a antecipação da idade da reforma para os funcionários das lavarias, a progressão nas carreiras, a revogação das alterações unilaterais na política de prémios e o "fim da pressão e da repressão sobre os trabalhadores".

 

Kenneth Norris foi nomeado administrador-delegado da Somincor pelo grupo Lundin Mining, dono da empresa, na passada segunda-feira e na sequência do pedido de demissão apresentado no dia 3 deste mês pelo então presidente do conselho de administração, Michael James Welch.

 

Jacinto Anacleto disse que "a Somincor, num comunicado enviado ao STIM, não revela quais foram os motivos que levaram à demissão" de Michael James Welch.

 

No entanto, disse, "o STIM não vê outro motivo para a demissão que não seja o conflito laboral que provocou as três greves de trabalhadores que ocorrem na empresa".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub