Transportes Ministro do Ambiente defende que Metro de Lisboa está a funcionar "muito melhor"

Ministro do Ambiente defende que Metro de Lisboa está a funcionar "muito melhor"

O ministro do Ambiente defendeu hoje, no parlamento, que o Metro de Lisboa está a funcionar "muito melhor", indicando que, "a cada semana que passa, o número de composições está a aumentar" e a procura a crescer.
Ministro do Ambiente defende que Metro de Lisboa está a funcionar "muito melhor"
Miguel Baltazar
Lusa 27 de junho de 2017 às 17:03

Em audição na Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, João Matos Fernandes respondeu, assim, às críticas do deputado do Bloco de Esquerda (BE) Carlos Matias, que disse que o Metro de Lisboa "continua a funcionar muito mal".

 

"Sou um cliente assíduo do Metro de Lisboa e testemunho que está a funcionar muito melhor", afirmou o ministro do Ambiente.

 

Em termos de melhorias no serviço de transporte, o governante destacou o aumento do número de composições a circular e o reforço da manutenção das escadas rolantes, em particular nas estações do Cais do Sodré e da Baixa-Chiado.

 

Para o deputado do BE Carlos Matias, o serviço prestado pelo Metro de Lisboa "continua extremamente deficiente", nomeadamente, devido aos atrasos.

 

"Até ao final de 2016 deveriam ter sido admitidos 30 maquinistas", lembrou o bloquista, referindo ainda que há falta de trabalhadores na manutenção das carruagens.

 

Em resposta ao deputado do BE, o ministro do Ambiente avançou que "o curso para camionistas vai começar agora mesmo", indicando que poderá sofrer uma interrupção devido ao período de férias, mas a partir de Outubro o Metro de Lisboa vai dispor de "muito maior capacidade de operar".

 

Sobre o crescimento da procura no Metro de Lisboa, o governante João Matos Fernandes declarou que, "depois de ter crescido 10% em 2016", a empresa de transporte registou um aumento de 7% até maio deste ano.

 

Outra dos problemas levantados pelo deputado do BE foi relativo às obras na estação de Arroios, ao que o ministro declarou que "é difícil de entender" como é que esta obra ficou para trás, lembrando que a intervenção começa a 19 de Julho e vai decorrer durante um ano e meio e "não há maneira" de reduzir a duração da obra.

 

De acordo com o Plano de Desenvolvimento Operacional da Rede do Metropolitano de Lisboa, as obras na estação de Arroios vão permitir o funcionamento de comboios com seis carruagens na Linha Verde e custarão mais de sete milhões de euros.

 

Até 2022, o Metropolitano de Lisboa vai ter mais duas estações - Estrela e Santos ---, estando previstas também estações nas Amoreiras e em Campo de Ourique, embora nestes dois casos sem uma data prevista de conclusão.

 

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Marta 27.06.2017

Isto é miserável. O Metro está cada dia pior. Isto é uma Vergonha.

J. SILVA 27.06.2017

Isto nem parece real , tanto mais que estas atoardas são ditas por um indivíduo que tem idade para ter juízo. Um ministro defender esta matéria tão polémica em causa própria e deste modo desbragado é de quem não tem vergonha e a noção do ridículo, o que nos políticos não é infelizmente de admirar.

Conselheiro de Trump 27.06.2017

Pobre revisor.Mais um merdas a ganha-lo e nao e pouco de costas direitas.

pub
pub
pub
pub