Aviação Ministro do Ambiente: 2017 vai ser ano de investimento nos transportes públicos

Ministro do Ambiente: 2017 vai ser ano de investimento nos transportes públicos

O ministro do Ambiente quer que a expansão das redes de metro de Lisboa e Porto possa contar com fundos comunitários.  
Maria João Babo 12 de Outubro de 2016 às 11:26

O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, garantiu esta quarta-feira no Parlamento que "2017 será ano de investimentos estruturais" nos transportes públicos e que as obras em estações do Metro de Lisboa no valor de 22 milhões de euros "estarão inscritas no orçamento do próximo ano da empresa".

 

O ministro sublinhou que, quer na carris, quer na STCP, está previsto um programa de renovação de frotas, no total de mais de 500 novos veículos, devendo os primeiros entrar em funcionamento no próximo ano.

 

Matos Fernandes salientou também que serão retomados os investimentos na rede de metropolitano, com o arranque em 2017 das obras para uma nova estação na rede do Metro do Porto em Modivas, e em Lisboa na estação do Areeiro.

 

Em Lisboa, disse, avançarão o alargamento da estação de Arroios, o fecho do átrio norte da estação do Areeiro, a finalização do plano de acessibilidades da estação do Colégio Militar e as reparações da estação dos Olivais.

 

Também no próximo ano começarão a ser a preparados os concursos para a expansão das linhas do Metro de Lisboa e do Metro do Porto.

 

Para essa expansão da rede, Matos Fernandes sublinhou que o governo pretende contar com fundos comunitários.

 

O ministro afirmou ainda que o Metro de Lisboa "tem em curso os processos que permitirão já em Novembro inverter as debilidades na área de manutenção".

 

O responsável sublinhou que no metro da capital se está neste momento "no pico maior dessa manutenção", referindo que "havendo 111 composições, o número de composições em manutenção está muito perto da necessidade mínima de operação que são 90 composições".

 

Relativamente às avarias de escadas rolantes e elevadores em algumas estações de metro, Matos Fernandes realçou que de 244 escadas rolantes oito têm problemas recorrentes e de 100 elevadores são dois os que não estão operacionais.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

comentários mais recentes
François Há 1 semana

«...de 244 escadas rolantes oito têm problemas recorrentes e de 100 elevadores são dois os que não estão operacionais.»

Anónimo Há 3 semanas


PCP . BE . PS entregam o sector dos táxis ao grande capital estrangeiro (DE BORLA).

Viva o capitalismo de esquerda (UBER, Cabify, …)


(O CDS não faria melhor)

Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

pub
pub
pub
pub