Automóvel Mira Amaral admite transferência da produção da Autoeuropa para outro país

Mira Amaral admite transferência da produção da Autoeuropa para outro país

Mira Amaral diz “temer pelo futuro” da Autoeuropa e apela ao bom senso. Alertando, em declarações ao DN, para a possibilidade de quando terminar a produção do T-Roc a Volkswagen escolher outro destino para fabricar outros modelos em detrimento de Palmela.
Mira Amaral admite transferência da produção da Autoeuropa para outro país
Negócios 09 de janeiro de 2018 às 09:07

Mira Amaral, ministro que em 1991 assinou a vinda da Volkswagen para Portugal, espera "estar enganado" mas admite que quando o investimento que foi feito na Autoeuropa  estiver amortizado a fabricante de automóveis poderá transferir a produção para outros mercados, dando como exemplo a República Checa ou Marrocos.

"A Volkswagen fez um grande investimento na Autoeuropa e não vai sair de Portugal enquanto não estiver amortizado. Mas a partir desse momento, se não houver juízo, a Autoeuropa está em situação de desvantagem em relação a outras fábricas que ficariam encantadas por receber novas produções. Estou a lembrar-me da República Checa e de Marrocos, que está a ter uma expansão fabulosa e tem recebido investimentos da indústria automóvel europeia", afirmou Mira Amaral, em declarações ao Diário de Notícias.

 

"Conseguimos trazer a Autoeuropa para Portugal com grande sucesso e hoje temo pelo seu futuro. As pessoas têm de perceber que a Autoeuropa compete com outras fábricas do grupo alemão. Quando a produção deste modelo acabar ou quando for preciso produzir outro modelo, vão aparecer responsáveis de outras fábricas com argumentos que a Autoeuropa não tem depois deste período de greves e de irrealismo laboral".

 

Estas declarações foram publicadas no dia em que as negociações entre a comissão de trabalhadores e a administração da Autoeuropa são retomadas, depois dos trabalhadores da fábrica da Volkswagen em Palmela terem chumbado o segundo pré-acordo laboral sobre a compensação e descanso relativamente ao trabalho ao fim-de-semana.

 

A Autoeuropa vai começar a produzir aos fins-de-semana a partir do final de Janeiro de forma a conseguir cumprir com a sua meta de produção de 240 mil automóveis em 2014.




A sua opinião44
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
ESTE SAIU DA TOCA 10.01.2018

Este saiu da toca para dizer baboseiras, pensa que ainda é alguém, o tempo dele já passou, viva a reforma e cale-se, deixe os Portugueses em paz, não arranje confusão.

Anónimo 10.01.2018

O SNS já não existe. O povo quer a ADSE. Abaixo o racismo. " não peças a quem pediu e não sirvas a quem serviu".

Anónimo 09.01.2018

Os alemães saem quando quiserem de Portugal , não precisam de dizer a eles para se irem embora ... basta o T-Roc não venderem em quantidade que os alemães querem ... Estão-se MARIBANDO para os portugueses , nem precisam QUE FAÇAM GREVE PARA SAIREM . Não gritem que eles não vos ouvem !

É ler a situação real da Fábrica da OPEL 09.01.2018

Os trabalhadores devem ler á notícia abaixo, a fim de não se deixarem instrumentalizar pelos demagogos.

FECHO DA OPEL DESPEDIU 1.100 E TRANSFORMOU A VIDA NA AZAMBUJA
http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/automovel/detalhe/fecho_da_opel_despediu_1100_e_transformou_a_vida_na_azambuja.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub