Banca & Finanças Monte dei Paschi falha aumento capital e governo aprova pacote de ajuda à banca

Monte dei Paschi falha aumento capital e governo aprova pacote de ajuda à banca

O banco italiano Monte dei Paschi di Siena anunciou que não conseguiu reunir os cinco mil milhões de euros que queria obter com o aumento de capital, uma das componentes do seu plano de recuperação. Governo reuniu-se e aprovou um pacote de ajuda à banca no valor de 20 mil milhões de euros.
Monte dei Paschi falha aumento capital e governo aprova pacote de ajuda à banca
Bloomberg
Carla Pedro 22 de dezembro de 2016 às 23:48

A entidade financeira Banca Monte dei Paschi di Siena (BMPS), a braços com uma vasta carteira de crédito malparado, e que iniciou na segunda-feira, 19 de Dezembro, um plano de recapitalização, confirmou esta quinta-feira à noite, em comunicado do conselho de administração, que o aumento de capital fracassou.

Assim, no dia em que terminava o período definido para a recapitalização da instituição por via da conversão de dívida em acções, o banco conseguiu captar somente cerca de 2,5 mil milhões de euros, um valor bem abaixo dos 5 mil milhões estipulados e que o Banco Central Europeu considerou necessários.

Pouco depois, a agência Reuters avançou que o governo italiano estava já reunido de urgência, em conselho de ministros, para aprovar um decreto que permitisse a intervenção do Estado nos bancos em apuros, entre os quais o Monte dei Paschi.

 

Perante a possibilidade de o plano de recapitalização falhar, a imprensa apontava já ao final da tarde que o governo iria reunir-se esta noite ou amanhã de manhã. Acabou por o fazer já hoje, às 23:35 (menos uma hora em Lisboa).

Entretanto, já depois da meia-noite de Lisboa, a imprensa internacional avançou a notícia de que o governo italiano aprovou, nesta reunião de emergência, o decreto que destina 20 mil milhões de euros ao apoio de instituições bancárias com problemas financeiros.

Recorde-se que o parlamento italiano já tinha autorizado ontem o governo de Paolo Gentiloni a endividar-se em mais 20 mil milhões de euros, de forma a garantir fundos para suportar os bancos mais frágeis em caso de necessidade. O plano, avançado por Gentiloni na segunda-feira, recebeu luz verde da maioria dos deputados, com 389 votos a favor e 134 contra.

Agora, assumindo que os 20 mil milhões de euros deste pacote de ajuda à banca são usados no próximo ano, isso corresponderá a cerca de 1,2% do PIB de Itália, "tornando altamente improvável que o país consiga cumprir os compromissos de gestão da dívida nos termos das regras orçamentais da União Europeia", adverte o Financial Times.

 

O governo tem insistido que este resgate seria um esforço "isolado", sendo por isso temporário e sem impacto no saldo estrutural, que é uma das principais medidas de avaliação orçamental usadas pela UE, acrescenta o jornal britânico.

 

Quanto à União Europeia, apenas disse que irá "tomar nota" das alterações de algumas metas em matéria de finanças públicas. 

Quem está encarregado de resgatar o BMPS é Pier Carlo Padoan, ministro italiano das Finanças, que se manteve no cargo depois do colapso do governo de Matteo Renzi na sequência do "não" no referendo às reformas constitucionais a que se tinha proposto.

A partir de agora, falta saber em que moldes será concedida a ajuda ao Monte dei Paschi que, para se adaptar às directrizes do BCE, deverá ser solicitada antes de 31 de Dezembro – e até porque o banco já reconheceu só ter liquidez para quatro meses, sublinha o El País.

O Estado italiano detém cerca de 4% das acções deste banco fundado em 1472, mas deverá aumentar a sua posição.


(notícia actualizada às 00:51 de sexta-feira, 23 de Dezembro)


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
}
pub