Banca & Finanças Montepio coloca 750 milhões de obrigações hipotecárias

Montepio coloca 750 milhões de obrigações hipotecárias

O Montepio acaba de colocar 750 milhões de obrigações hipotecárias. Esta é a primeira emissão de dívida da instituição em oito anos. “A operação foi bem recebida, reflectindo a trajectória de recuperação da caixa económica”, diz Félix Morgado.
Montepio coloca 750 milhões de obrigações hipotecárias
Pedro Elias
Maria João Gago 09 de outubro de 2017 às 17:42

A Caixa Económica Montepio Geral concluiu esta segunda-feira, 9 de Outubro, uma emissão de obrigações hipotecárias no valor de 750 milhões de euros, que representa o "regresso ao mercado de dívida ao final de oito anos", de acordo com o comunicado divulgado pela instituição liderada por José Félix Morgado.

 

"A operação  beneficiou da melhoria da situação dos mercados. Apesar de a crise na Catalunha ter causado alguns sobressaltos, a emissão foi bem recebida, reflectindo a trajectória de recuperação dos resultados da caixa económica, tendência que se confirmará no terceiro trimestre", afirmou o presidente do Montepio ao Negócios.

 

De acordo com os dados divulgados pela instituição, "a procura superou a oferta em 5 vezes, tendo o montante inicial da emissão sido aumentado dos 500 milhões de euros previstos inicialmente, para os 750 milhões de euros".

 

Com o resultado desta emissão, o Montepio vai "reduzir o recurso ao Banco Central Europeu (BCE), tal como está previsto no plano estratégico, que prevê a diferenciação das fontes de financiamento", adiantou Félix Morgado.

 

A emissão, que foi liderada por três bancos de investimento internacionais – JP Morgan, NatWest MArkets e Unicredit – tem uma maturidade de cinco e um referencial de preço de 0,65%, abaixo do nível de 0,75% inicialmente previsto. A linha de obrigações hipotecária recebeu uma notação de rating de A3/A/A pela Moody’s, Fitch e DBRS, respectivamente.

 

De acordo com o presidente do Montepio, a totalidade da emissão foi colocada junto de investidores institucionais europeus, norte-americanos e também portugueses. 


(Notícia actualizada pela segunda vez às 18:12 com declarações de José Félix Morgado, presidente da Caixa Económica Montepio Geral)



A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
J. SILVA Há 1 semana

ESte bandido legalizado, pelo trabalho sujo que fez na INAPA , não tem o mínimo de credibilidade para gestor bancário. Só está lá porque a sua" honorabilidade manhosa" foi atribuída por outro da sua igualha o GBP. Pe sula actuação na INAPA este marmelo de certeza não deve conhecer o pai....

Do Piçalho Há 1 semana

Andou a Rainha d.Leonor a espalhar bens aos pobres para estes burgueses mamarem tudo e o misericordioso Santana continua em reflexão e o monhé a Montepiar

J. SILVA Há 1 semana

ALT,
De facto a emissão de a. pref. que o bandido do Morgado engendrou, desvalorizou criminosamente as acões ordinárias com prejuízo dos acionistas históricos da empresa. O modo como tudo decorreu e o silêncio exprime bem a negligência da CMVM. Sem a reversão do AC a cotação jamais recuperará.

Alt Há 1 semana

Este oferecido subverteu a Inap com as ações preferenciais, grande filho da tia

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub